Casa do Turista renasce em dezembro com restaurantes italiano e indiano num investimento de um milhão de euros

Foto in Madeira Wine Guide.

A histórica Casa do Turista vai dar lugar a um novo investimento de restauração de cariz internacional com restaurantes indiano, italiano e tascas portuguesas. Se o Café Golden ficou conhecido como a “esquina do mundo”, o novo complexo que nascerá no Funchal pretende ser “a esquina virada para o mundo”, nomeadamente para o turismo de cruzeiros que dinamiza a Região.

Situada numa zona estratégica da cidade, virada para o porto do Funchal (rua Conselheiro Silvestre Ribeiro, virada para a Avenida do Mar), a antiga Casa do Turista, gerida por José Barreto, dá lugar, a partir de dezembro deste ano, a um novo espaço de restauração madeirense, um investimento que totaliza cerca de um milhão de euros.

Uma das máximas de um dos grandes grupos empresários desta Região é inspirada nas palavras do imortal poeta Fernando Pessoa, “Tudo quanto vive, vive porque muda”. Na vida como nos negócios, os empresários confrontam-se com a necessidade de diversificar ou mudar o ramo de negócios para terem viabilidade e sustentabilidade. A centenária Casa do Turista marcou uma época como um verdadeiro mostruário de qualidade da cultura tradicional da Madeira, pelo dinamismo do seu fundador Agostin Ramos que depois passou o investimento à filha, Maria Luísa Bianchi. O testemunho passou depois para José Barreto que tem projetado este espaço internacionalmente, uma vez que é procurado por grande parte do turismo que visita a Madeira para a compra de souvenirs de objetos de artesanato de qualidade. Os novos tempos e novos mercados obrigam os empresários a alterarem os seus investimentos no sentido de se tornarem competitivos. Eis que José Barreto passa a integrar a nova sociedade que vai explorar o antigo espaço da Casa do Turista, “Sólido Famoso, Lda”, composta ainda pelos sócios Rui Sousa, Pedro Gomes e Siddiqui. A sociedade fica assim composta por 50% dos capitais reservados ao empresário indiano Siddiqui e José Barreto e 50% para Rui Sousa, Pedro Gomes e Paulo Rodrigues.

Experiência no Forte e Goya

Ao Funchal Notícias, o rosto da vertente de restauração do novo investimento, Rui Sousa, (com grande experiência na restauração, no Forte de São Tiago e Restaurantes Mozart, Barroco e Goya), confirma o investimento e adianta que as obras já estão no terreno. O objetivo é “dotar a cidade de um espaço internacional de qualidade, com uma simbiose de culturas para servir vários públicos, numa zona com uma localização excecional virada para o porto”.

O empresário explica que, na rés do chão nascerá uma “Tasca Portuguesa” e uma “Tasca Madeirense”. Um espaço para as bebidas regionais por parte de uma determinada clientela. No piso intermédio, nascerá um restaurante gourmet indiano, com a designação de “Royal Indian”. O último piso será a parte mais nobre do investimento com o Vivaldi Restaurant, Louge & Terrace Bar, vocacionado para a restauração italiana mediterrânica. Nascerá ainda no topo uma área parisiense com umas escadas de ferro que vão desde a estrada até ao Terrace.

A nova oferta de restauração está prevista abrir portas ao público no início de dezembro deste ano e contribuirá para dinamizar uma zona já movimentada neste setor, tirando ainda partido da crescente vinda de turistas para a Madeira que têm vindo a encher as unidades hoteleiras, nomeadamente por ocasião dos grandes cartazes turísticos. Um espaço ainda com uma vista privilegiada para o fogo de artifício de fim do ano.