“Funchal Forte” diz que embargo ao Savoy deveria ser total e não parcial

Em contexto de campanha eleitoral para as eleições Autárquicas, a coligação “Funchal Forte” iniciou hoje o seu périplo pela zona da Penteada, freguesia de São Roque e Monte, não só a colocar propaganda do movimento mas também a alertar a população para os “mecanismos tenebrosos da Máquina Negra da Mentira de Cafôfo”.

Hoje, o movimento reafirmou junto da população que não irá permitir o licenciamento de mais lojas comerciais no novo hotel Savoy, “precisamente porque o Funchal está a ficar desertificado e cheio de comerciantes desesperados com a concorrência desleal”.

Para o “Funchal Forte” “o sr. presidente Cafôfo, juntamente com o Miguel Albuquerque são os principais responsáveis por este monumental mamarracho que nos fere a paisagem e cria problemas irreversíveis na nossa sustentabilidade turística”.

Depois de citar declarações de Paulo Cafôfo que o comprometem no licenciamento do Savoy, o “Funchal Forte” alega que “para baralhar e recolher as boas graças das funchalenses (…), em Agosto deste ano, a Câmara embargou parcialmente a obra por causa duns acrescentos que se fizeram na rua Imperatriz D. Amélia, mas escondeu o mais grave, que merecia isso sim, o embargo total da obra, que foi o facto dos serviços de fiscalização da Câmara terem detectado que a área bruta de construção aumentou de 66.617,53 m2 para 70.093,00 m2, mais 3.475,47 m2 em excesso. O que prova que a Máquina Negra da Mentira de Paulo Cafôfo protege o promotor em prejuízo dos superiores interesses da nossa martirizada cidade”, remata.