Revolta no Aeroporto de Lisboa: criança madeirense com problema oncológico abandonada à sua sorte

Mãe, com filho doente, critica o tratamento frio da TAP. Maria José Gaudêncio é que os acolheu na sua casa, no Montijo. Um caso para refletir. Foto FN.

É um caso que está a provocar consternação no Aeroporto de Lisboa. Uma madeirense, que se faz acompanhar do filho com um problema oncológico, critica a TAP por não ter sensibilidade para acolher o filho doente, na sequência do cancelamento do voo, ontem à noite, para a Madeira. Uma atitude classificada de “abandono” que está a chocar os demais passageiros que também aguardam na Portela para regressarem à Madeira, sem dados concretos à vista.

Chama-se Francisco Oliveira, tem 9 anos de idade, e saiu ontem do IPO de Lisboa, após tratamento de doença oncológica, na companhia da mãe, Ângela Gomes, com destino ao Aeroporto de Lisboa para regressar à Madeira no voo da TAP, que acabou por ser cancelado pelas 23 horas de ontem. Face à debilidade da criança, a mãe conta que alertou um funcionário da TAP para a situação do menor, vítima de cancro, mas teve como resposta a mesma dada a todos: almofada e manta para pernoitar na gare do Aeroporto. Com um comentário acrescido: “Já sabem que a TAP não arrisca voar para a Madeira quando há mau tempo”.

Mãe e filho, de fracos recursos económicos, sentiram-se literalmente “abandonados pela companhia” e autorizaram o FN a publicar o seu descontentamento e identificação. O que valeu foi que nem todos reagiram das mesma forma que a TAP e outra madeirense, Maria José Gaudêncio, com residência no Montijo, sensibilizada com o drama de mãe e filho, abriu as portas da sua casa para que pernoitassem. E assim passaram a noite com algum conforto graças a este ato de generosidade, encontrando-se neste momento a aguardar voo no Aeroporto.

O caso está a ser comentado no Aeroporto de Lisboa e, tal como o FN já referiu anteriormente, os passageiros dizem-se chocados com o tratamento da TAP. Todos compreendem a impossibilidade dos aviões em seguirem com a operação, devido ao mau tempo, mas já não toleram “o mau atendimento” que acusam a TAP de dar aos seus próprios clientes.

Segundo relataram ao FN, a TAP disponiliza apenas 60 euros para pernoitarem num hotel. Acontece que, na noite de ontem, os madeirenses depararam-se com os hotéis cheiros e lá tiveram que se agarrar a uma almofada e manta para passar a noite no Aeroporto. Ainda assim, mãe e filho não tinham recursos económicos para procurarem soluções de alojamento fora do Aeroporto.

Neste momento, todos aguardam inquietos e com evidente mágoa pelo regresso à Madeira., Mas acham que “calar não é a solução” porque “este tipo de tratamento que está a ser dado aos passageiros, sobretudo doentes, não pode voltar a acontecer”.