Candidatura do PS em Santa Cruz quer ajudar mais as famílias do concelho

Foto DR.

A candidatura do PS à Câmara Municipal de Santa Cruz efetuou uma conferência de imprensa no Largo do Município para criticar o método adotado pelo executivo camarário do JPP, no que concerne à atribuição do apoio sócio-educativo às crianças e jovens do concelho.

Daniela Aguiar, que ocupa o 2º lugar na lista encabeçada por Cláudio Torres, foi a porta-voz desta iniciativa.

Considerando o regulamento de atribuição do apoio sócio educativo do atual executivo camarário, que entrou em vigor em 6 de outubro de 2015, disse a candidata socialista, “verificamos que o mesmo se aplica apenas aos alunos provenientes de famílias em situação comprovada de carência e vulnerabilidade sócio económica, ou seja, as famílias com rendimento per capita igual ou inferior a 1 IAS (valor do IAS/2016=419,22€ e IAS/2017=421,32€).

Acontece, porém,  que este apoio não é acumulável com a Ação Social Educativa, isto é, não podem usufruir de apoio financeiro na Câmara Municipal os alunos que beneficiem da Ação Social Escolar. Acrescendo o facto de terem direito à Ação Social Escolar também as crianças que frequentem estabelecimentos de infância e pré-escolar integrados no 4.º escalão de rendimentos determinados para efeitos de atribuição de abono de família”.

Neste sentido, disse Daniela Aguiar, “urge acarinhar também às famílias que outrora tiveram vidas mais estáveis e que no presente se debatem com dificuldades oriundas da crise financeira recente”.

Indo ao encontro destas famílias, o PS em Santa Cruz assume o compromisso de complementar os apoios da Ação Social Educativa e garantir às crianças e jovens residentes no concelho de Santa Cruz integrados em famílias que integrem, igualmente, o quatro escalão de rendimentos até ao ensino secundário, atingindo o rendimento mensal máximo per capita de 1053€. Ou seja, rendimentos iguais ou inferiores a 2,5 x IAS X14.