Eduardo Jesus confirma seis interessados em estabelecer o ferry entre a Madeira e o continente

foto LR

O secretário regional da Economia, Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, referiu hoje que existem armadores que já pediram o caderno de encargos, e que se encontram, portanto, interessados em instalar o ferry para serviço marítimo entre a Madeira e o território continental. A informação foi dada aos jornalistas aquando da abertura da Festa do Vinho. Eduardo Jesus, porém, salientou que os dados terão que ser actualizados quase todos os dias, porque este é processo em constante evolução. É um número que pode variar, dado que durante 70 dias os armadores poderão apreciar e apresentar as suas propostas. Quantos mais interessados, melhor, deixou claro Eduardo Jesus, pois quantos mais forem, mais possibilidades a Região terá de ter um ferry a funcionar dentro dos prazos definidos.

Segundo avançou o JM na sua edição de ontem, os interessados são a Empresa de Navegação Madeirense, Tecnovia Madeira, Transinsular Madeira, Hellenic Shipping/Hellenic Seaways, da Grécia, a Mutualista Açoriana e a empresa cipriota Matrix. Porém, Eduardo Jesus recusou-se a referir nomes.

O secretário com a tutela da pasta da Economia disse que “queremos mesmo que esta linha se concretize”, pelo que o Governo Regional não quis condicionar em nada todos os aspectos que possam condicionar o interesse dos armadores. “Queríamos que não houvesse a mínima objecção a que esta operação se fizesse”.

Já quanto à Festa do Vinho, Eduardo Jesus avançou bons indicadores, citando que a taxa de ocupação hoteleira situar-se-á em cerca de 89 por cento, tal como no ano passado. Disse-se satisfeito com a procura, dado que o evento foi, lembrou, remodelado e requalificado na sua oferta.”Isso satisfaz-nos porque é um bom indicador do efeito que teve essa intervenção neste conteúdo turístico”, disse. A Festa do Vinho foi descentralizada para quatro concelhos, e o governante disse defender que até outros concelhos possam vir a associar-se. “Fica a Madeira a ganhar, e os turistas com uma perspectiva diferente da ilha”, referiu.