Área da tragédia no Monte ainda vedada ao público, com vigilância policial e moradores ainda não foram ouvidos pelo Ministério Público

Monte interdito ao público, na área onde ocorreu a tragédia, sob vigilância policial. Fotos FN.

O perímetro da tragédia no Monte, a 15 de agosto, ainda continua vedado ao acesso público, com a presença vigilantes da Polícia de Segurança Pública.

No entanto, a Câmara Municipal do Funchal já iniciou as limpezas do espaço. Além disso, continuam uns peritos no terreno que, desta vez, pertencerão à Câmara Municipal do Funchal.

Trabalhadores da CMF procedem a limpezas.

Nenhum dos habitantes do Monte foram ainda notificados pelo Ministério Público para serem ouvidos no âmbito do inquérito que está em curso para apurar as circunstâncias criminais das 13 mortes e meia centena de feridos.

No último comunicado do Procuradoria da Comarca da Madeira, datado de 25 de agosto, o Ministério Público revelou que seriam levantadas as restrições de acesso ao local, mas, na realidades, elas mantêm-se ainda hoje. Sabe-se que ficaram concluídos os trabalhos complementares de peritagem por parte do MP e os madeirenses continuam a aguardar as respostas da justiça num processo que enlutou algumas famílias.