Rubina Leal quer ampliar Centro Comunitário em Santa Luzia

Foto PSD

A candidata do PSD à Câmara Municipal do Funchal (CMF), Rubina Leal elogiou ontem o trabalho que o candidato e atual presidente da Junta de Freguesia de Santa Luzia, José António Rodrigues, tem feito “em prol da sua população.”

Elogios retribuídos por José António Rodrigues que lembrou a presença constante de Rubina Leal em momentos de catástrofe naquela freguesia. Nos incêndios do verão de 2016, “em apenas duas semanas realojou 80 pessoas”, quando desempenhava a função de secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais. No 20 de fevereiro, enquanto vereadora da CMF, Rubina Leal foi “incansável” na resolução dos problemas.

Os candidatos falavam esta quarta-feira, durante a apresentação da equipa da Junta de Freguesia de Santa Luzia, que aconteceu no final do dia, num restaurante local.

Ambos defenderam a continuidade e aperfeiçoamento no apoio social.

“Em Santa Luzia, temos uma população de cerca de 5.000 habitantes, sendo que 65% são pessoas envelhecidas”, notou Rubina Leal. “Aquilo que eu pretendo, enquanto presidente da Câmara Municipal do Funchal, é trabalhar com esta faixa etária, efetuando obras de ampliação no centro comunitário e oferecendo outra dinâmica aos utentes”, sublinhou, referindo que é essencial pensar no problema de mobilidade dos mais velhos e criar infraestruturas de proximidade.

José António Rodrigues, por seu turno, recordou o trabalho feito pela Junta na reconstrução das casas afetadas pelos incêndios e os apoios que têm sido atribuídos às famílias mais carenciadas, desde os materiais e manuais escolares, à aquisição de medicamentos.

Lamentando o teto máximo imposto pelo atual executivo camarário de €10 no apoio aos medicamentos, o candidato e presidente da junta, frisou que isso não se passa em Santa Luzia. “Na nossa freguesia, se a pessoa vem ter connosco para ter apoio em algum medicamento nós damos o medicamento na totalidade. Não colocamos aqui barreiras de preços.”

Rubina Leal reforçou que é preciso olhar para as questões do envelhecimento, mas também para outras necessidades da população.

Assim, enumerou algumas medidas que tem previstas para o concelho, que irão beneficiar as famílias, através da devolução de 4% do IRS, e favorecer os comerciantes e empresários, por via da eliminação do imposto da derrama, potenciando, assim, o aumento da empregabilidade no Funchal.

A dinamização cultural e a reorganização urbanística foram outras das propostas apresentadas pela candidata à CMF para aquela freguesia.

“A instalação do Museu de História Natural no Matadouro, será um novo espaço para a Cidade com benefícios para residentes e para aqueles que nos visitam, e que irá compreender toda a reorganização urbanística do espaço envolvente que necessita de ser revitalizado”, concluiu.