Miguel Fonseca diz que PS-M “traiu” espírito dos acordos do partido com o BE

O Bloco de Esquerda apresentou hoje as suas listas à Câmara Municipal de Santa Cruz, altura em que o candidato independente por aquele partido à edilidade, Miguel Fonseca, declarou que esta candidatura “insere-se precisamente naquele tempo novo, que começou no justo momento em que Catarina Martins desafiou António Costa para que o país começasse uma nova era, em que os direitos sociais fossem reconhecidos, e acabasse a tortura a que o país tinha sido submetido”.

Foi nesse espírito, sublinhou, que, como socialista e cidadão independente, e reflectindo a posição conjunta entre PS e BE, se empenhou para que também no concelho de Santa Cruz houvesse uma candidatura que reflectisse essa mesma posição concertada entre duas forças políticas, socialmente maioritárias no concelho.

Porém, Miguel Fonseca lamentou que o PS-M tivesse “traído” o espírito dos acordos entre BE e PS assinados entre Catarina Martins e António Costa, “juntando-se à direita no parlamento regional” e, na sua perspectiva, atraiçoando os eleitores de Santa Cruz.

“Cabia-me a mim responder a essa atitude”, razão porque aceitou o convite do Bloco, destacou.

“Sou, portanto, o candidato natural e legítimo de todos aqueles que apoiam efectivamente políticas sociais a nível nacional, que se têm de traduzir numa candidatura, que é a minha, à Câmara Municipal de Santa Cruz”, referiu.

“Connosco a Câmara não fará favores a ninguém”, prometeu. Em relação à educação, saúde e direitos sociais, a edilidade terá um papel a dizer, bem como relativamente ao ordenamento do território, salientou.

Apresentamos várias propostas que vão ao encontro da angústia da população de Santa Cruz”, acrescentou, manifestando-se convicto de que é possível obter bons resultados no concelho.