Colégio da Especialidade de Ortopedia está na Madeira para avaliar a idoneidade do polémico Serviço hospitalar

O Colégio da Especialidade de Ortopedia da Ordem dos Médicos está na Madeira para avaliar a idoneidade do Serviço de Ortopedia do Hospital Dr Nélio Mendonça, apurou o FN junto de profissionais de saúde que esperam por “um trabalho sério e isento, sem cedência aos interesses políticos da controversa saúde regional”.

Uma visita considerada importante para verificar “in loco” e aferir a capacidade formativa ou não deste sempre conturbado Serviço de Ortopedia. Na Madeira, já se encontram os especialistas deste Colégio de Ortopedia, o professor André Gomes e a Dra Isabel Rosa Branco, que reúnem amanhã também com a Ordem dos Médicos na RAM.

O FN contactou o presidente do Conselho Médico da Ordem dos Médicos na Madeira que confirmou a visita. António Pedro Freitas espera que esta deslocação, considerada de importante, “decorra com tranquilidade e transparência, sem favores nem para um lado nem para o outro, isto é, uma visita que não seja condicionada por outro tipo de interesses que não a aferição técnica da idoneidade do Serviço de Ortopedia, de forma clara e objetiva”.

O presidente do Conselho Médico da Ordem na Madeira aguarda por uma visita transparente do Colégio.

Medicina Geral e Familiar adensa dúvidas

No entanto, há profissionais de saúde que receiam a possibilidade de haver pressões, indiretas mas reais, sobre o Colégio, uma vez que o conselho de administração do Sesaram já tem reunião marcada com a equipa que vai aferir a idoneidade, antes da visita arrancar. Mas há outro dado que pesa muito mais neste ceticismo dos profissionais de saúde. A última visita do Colégio de Especialidade para avaliar a idoneidade foi realizada ao Serviço de Medicina Geral e Familiar com resultados pouco favoráveis, embora o relatório ainda não tenha sido divulgado. Contudo, a reunião posterior da tutela da saúde com os médicos deste Serviço alegadamente para auscultar os problemas do setor, procurando saber as falhas que cada um apontou ao Serviço,  não caiu bem na classe médica, uma vez que tem sido vista como uma possível forma de condicionar a posição destes profissionais. Isto mesmo após o anunciado caráter pedagógico da reunião da tutela, no sentido da melhoria do Serviço.

As ações do Colégio de Especialidade da Ordem dos Médicos para avaliar a indoneidade dos vários serviços de saúde são normais nas unidades hospitalares, não visam avaliar o tratamento mas a capacidade formativa – embora sejam aspetos contíguos. Ainda assim todos sabem que esta ação ao Serviço de Ortopedia do Sesaram não é também alheia aos muitos problemas que têm afetado esta área e que têm sido relatados na comunicação social.

De um forma geral, esta visita poderá culminar com três possibilidades de tomada de decisão do Colégio: ou atribui a idoneidade total para a formação – cenário que é visto com grandes dúvidas por alguns profissionais de saúde contactados pelo FN – ou se retira a idoneidade ou é atribuída a idoneidade parcial em determinadas áreas para assegurar a formação dos internos na Madeira.