Cláudia Aguiar pede explicações sobre posição de Portugal a sanções à Venezuela

O diário Espanhol “El País”, avançou hoje, com base em fontes diplomáticas, que 27 dos 28 Estados-membros da UE estão a favor da aplicação de sanções diplomáticas à Venezuela – apenas Portugal, segundo o El País estará contra.

Segundo, a eurodeputada do PSD, Cláudia Monteiro de Aguiar ”A política externa portuguesa e a defesa dos interesses da comunidade portuguesa emigrada na Venezuela não pode estar refém de interesses da geringonça, não pode estar refém da esquerda portuguesa que está mais preocupada em defender um regime quase ditatorial em detrimento das centenas de milhares de portugueses que estão na Venezuela. Apelo ao Governo de Portugal que dê a devida importância a esta questão e que assuma e esclareça os portugueses e os parceiros sociais, sem que deixe qualquer margem para dúvidas, da sua posição quanto à possível aplicação de sanções à Venezuela”.

A deputada madeirense tem sido uma voz critica no Parlamento Europeu relativamente à presente situação que se vive na Venezuela.

“A ser verdade esta posição de Portugal contra a aplicação de sanções ao Governo de Nicolas Maduro, é grave por vários motivos: a credibilidade do nosso País fica, mais uma vez, posta em causa junto dos parceiros europeus e internacionais; a manifesta pressão que os Partidos de Esquerda, PCP e o Bloco de Esquerda, exercem sobre este Governo e a desconfiança da população que, desta forma, não vê neste governo quem os defenda e represente. Colocarei com carácter de urgência a questão a Federica Mogherini, Alta Representante da UE para Política Externa e Segurança, para que se apure e se obtenha a veracidade dos factos” defendeu Cláudia Monteiro de Aguiar.

Recorda-se que há duas semanas a Eurodeputada do PSD enviou duas perguntas escritas à Comissão Europeia assim como questionou directamente a Alta Representante da UE para a Política Externa e Segurança, Federica Mogherini apelando a uma intervenção mais célere no apoio à população Venezuela fruto do intensificar da crise que se vive naquele País.

Ainda hoje [ontem], a Alta Representante da UE afirmou que “todas as opções estão em cima da mesa”, sublinhando ainda que há a hipótese de “sanções específicas, individuais e seletivas”, aconselhando Maduro a abandonar a ideia de convocar uma assembleia constituinte, tendo o líder Venezuelano reagido de forma violenta perante a União Europeia.
Cláudia Monteiro de Aguiar há duas semanas instou as autoridades europeias e as Nações Unidas a trabalharem em conjunto com vista a criarem um corredor humanitário, a ser efectuado o mais célere quanto possível, de ajuda às populações mais afectadas. Um corredor humanitário capaz de levar bens de primeira necessidade, água e medicamentos a todos aqueles que hoje atravessam uma verdadeira crise humanitária.