Curral dos Romeiros já tem kit de Protecção Civil

Segundo uma informação da CMF, o edil funchalense Paulo Cafôfo esteve este fim-de-semana no Curral dos Romeiros, para proceder à entrega do primeiro kit de Protecção Civil a equipar as Unidades Locais de Protecção Civil (ULPC) do concelho. Acompanhado por Domingos Rodrigues, vereador com o pelouro da Protecção Civil, e por elementos dos Bombeiros Sapadores do Funchal, Paulo Cafôfo tornou assim a ULPC do Curral dos Romeiros na primeira totalmente funcional do concelho e anunciou que o local que servirá de base à Unidade também já está definido: a autarquia vai recuperar a antiga Escola do Curral dos Romeiros e sediar a recém-criada Unidade no seu piso superior. A obra já foi, de resto, adjudicada, refere a Câmara.

Cafôfo referiu que “o Serviço Municipal de Protecção Civil do Funchal tem trabalhado, desde o início do ano, na implementação destes projectos, que pela sua novidade e especificidade, exigem tempo e a adequada pedagogia e formação junto das populações-alvo, estando neste momento em implementação cinco projectos, nomeadamente no Curral dos Romeiros, nas Corujeiras e nas Babosas-Lajinhas, na freguesia do Monte, e no Sítio da Alegria e na Escola Dr. Eduardo Brazão de Castro, estes em São Roque.”

O presidente acrescentou que “entre estes casos, a Unidade do Curral dos Romeiros era claramente aquela que já estava num estágio de implementação mais avançado, também porque se trata de uma população que já foi exposta a este tipo de situações de catástrofe e tem, por isso, uma sensibilidade assinalável a este respeito. Este é, por isso, o primeiro resultado natural do trabalho que temos feito.”

As ULPC foram anunciadas pelo executivo liderado por Paulo Cafôfo no início do ano, como uma das novas abordagens para garantir a protecção de pessoas e bens nas zonas altas do concelho, dotando os cidadãos comuns de meios para saber comportar-se numa primeira resposta a situações de catástrofe. A receptividade de residentes e alunos tem sido encorajadora, com a autarquia a incentivar a que ainda mais comunidades se disponibilizem para este efeito, no futuro próximo.

Segundo Paulo Cafôfo, “a ideia-chave do que é pretendido pela Câmara Municipal do Funchal com as ULPC é sensibilizar a população das zonas vulneráveis do concelho, com um enfoque particular nas Zonas Altas, de que a Protecção Civil é uma actividade que também deve ser desenvolvida por todos os cidadãos, e não apenas pelas entidades públicas. Como é evidente, não se pretende, de forma alguma, que as pessoas se substituam aos agentes de Protecção Civil, mas sim que saibam tratar da sua autoprotecção, no primeiro momento de resposta”, sublinha o edil. A Protecção Civil Municipal pretende, desta forma, que os habitantes de uma zona de implementação de uma ULPC saibam como agir nos três momentos da catástrofe, ou seja, antes, durante e após o evento.

Todas as Unidades Locais de Protecção Civil do Funchal reger-se-ão por um Regulamento de Funcionamento comum e serão organizadas e operacionalizadas pelo Serviço Municipal de Protecção Civil, dado que este é o organismo que tem estrutura técnica capaz de uniformizar todo o processo da sua constituição e manutenção. As Juntas de Freguesia terão, igualmente, um papel determinante na sua operacionalização.