Fajã do Penedo: o apelo da montanha sempre que há Natal

Fajã do Penedo Boaventura mostra iguarias Natal São vicenteDali não se vislumbra o mar. No pequeno povoado da Fajã do Penedo, freguesia da Boaventura, são as altas montanhas de Laurissilva que engolem o horizonte dos dias e povoam as conversas dos poucos que escolheram ali envelhecer. O sítio que os mais  novos comparam a uma rotunda, por conta do arruamento que circunda o vilarejo, reconcilia pelo Natal os que ficaram e os que regressam.

A manhã nasceu húmida, mas clara. Depois do temporal de ontem, que fez desmobilizar promotores e populares, a Fajã do Penedo, a norte da ilha da Madeira, apressou-se este domingo a fazer cumprir a XI edição da Mostra de Iguarias Tradicionais de Natal. Um evento que tem procurado promover os produtos locais e sobretudo contrariar o fenómeno de envelhecimento e desertificação demográfica de um povoado que não chega aos 400 habitantes, a maioria idosos.

Pelo menos é o que Ilídio Santos, o presidente da Casa do Povo de Boaventura, procura fazer ao insistir todos os anos na realização da iniciativa. A tarefa não é fácil, reconhece, atendendo às caraterísticas do sítio. Pequeno, isolado entre montanhas, de condições climatéricas instáveis e marcadamente assente numa agricultura de subsistência, a Fajã do Penedo há muito deixou de ser alternativa para as novas gerações, capitulando perante a imigração e o êxodo para o Funchal. A ruralidade e a orografia marcante do local não parecem ter atraído o investimento necessário.

Ilídio Santos Fajã do Penedo Boaventura mostra iguarias Natal São vicente

Mesmo assim, a Casa do Povo e a Junta de Freguesia não desistem. Nem que seja pela preservação de um património humano e cultural que aproxima e enriquece gerações. “É, no fundo, um reencontro que não queremos perder. Aqui, todos se conhecem e partilham as vivências como uma família alargada”, explica Ilídio Santos, ele próprio um apaixonado confesso pela freguesia da Boaventura.

E a verdade é que os mais novos, crianças, adolescentes e casais, vão chegando à praceta, ali à beira da igreja. O curto arruamento que contorna este núcleo, num único sentido, logo se enche de carros. Não há que enganar, gracejam os mais novos. “Fajã do Penedo é uma rotunda”.

Fajã do Penedo Boaventura mostra iguarias Natal São vicente

O almoço já lá vai e os convivas esperam provar os tradicionais doces e licores e visitar os presépios, o da igreja e o da junta. Há quem não desgoste do da escola, mais acima.

A festa vai acontecendo. Cinco barracas, um palco, uma casa de chá da paróquia, o balcão da espetada. O sol, a música, workshops de culinária, as danças e o ritmo do animador por conta da Casa do Povo fazem antever tarde de entretenimento, em que não faltarão palhaços e Pai Natal. Já todos esqueceram a tromba de água do dia anterior que provocou pequenos deslizamentos de terra e queda de pedras em algumas zonas da freguesia.

“A única desvantagem de viver na Boaventura é o custo em transportes associado à distância. Penso que esta condicionante ficará resolvida com a abertura da via expresso em 2018”, explica a jovem que trabalha na cidade, mas que não esquece a terra natal. “É claro que, depois do 20 de fevereiro, há um receio maior em circular pela costa norte com temporal. Mas regressamos todos os fins de semana”.

Fajã do Penedo Boaventura mostra iguarias Natal São vicente

Entretanto, o grupo Dance Now dá corpo aos ritmos da música Pop. A batida é forte, os movimentos arrojados, mas nada que surpreenda os mais idosos. “É sempre bom”. Teresa Domingues, nascida há mais de 70 anos nas redondezas, desembaraça-se na conversa e no sorriso. “Gosto muito destas festas. Ajuda a cabeça a funcionar. Não sou de ficar por casa a gemer dores. E, olhe, que as tenho. As minhas pernas já não são o que eram. Se tivesse 30 anos ninguém me segurava”. Ri-se do atrevimento. Mesmo assim ainda mete mão à fazenda e frequenta a escola para seniores, duas vezes por semana.

Teresa bernardete fajã do penedo boaventura idosos mulheres

Ao lado, a prima Bernardete deita sentido à conversa. As duas fazem parte daquele grupo de idosos para quem a vida inteira ligada à terra acaba por ser agora uma bênção. Continuam integradas no seu meio, autónomas, distantes das complexidades e riscos de um idoso na cidade. “Vivo sozinha, mas não me sinto só. Tenho o meu terreiro, a televisão e familiares que vivem por perto”. Teresa dedicou a vida à mãe e ao irmão sacerdote; não se arrepende da falta de marido. “Para quê?”, pergunta como se a resposta fora óbvia. Viveu e trabalhou no Funchal, mas apesar das comodidades sempre se sentiu mais à vontade na sua freguesia nortenha, onde os dias se sucedem sem surpresas nem cuidados de maior.

Também a prima não tem planos de mudança. O marido e o filho ocupam-lhe os dias. A vista e a memória é que vão faltando. “Já me esqueci de muita coisa”. Bernardete lamenta não poder recordar as cantigas e tradições de outros Natais. Eram pobres, isso sim. “Mas havia muita festa, as famílias juntavam-se e em cada casa havia sempre um licor e umas broas para oferecer”. Se pudesse voltaria atrás. “O Natal era mais alegre. Ora se era. A gente cantava e o tio tocava acordeão”.

bernardete teresa boaventura fajã do penedo mulheres idosos

Agora, com a idade, perde-se o gosto pelas coisas. A lembrança da juventude deixa-lhes a nostalgia nas palavras e no olhar. “Não faltava a uma missa do parto que fosse. E andava meia hora a pé para chegar à igreja, noite dentro”. Bernardete move a cabeça e suspira. Este ano, o pároco decidiu celebrar as missas do parto às 5.00, 6.30 e às 20.00, alternando os horários pelas paróquias da Fajã do Penedo, Boaventura e Ponta Delgada. Começam dia 15. As primas prometem devoção e cumprir a tradição.

Entre os mais jovens, porém, há quem ainda espere um verdadeiro Natal para a Fajã do Penedo, além das festas e do calendário. Em poucas palavras, reclama-se um novo olhar para o norte, capaz de atenuar décadas de esquecimento e discriminação em relação à costa sul da ilha. Incentivos, investimento, aposta nas acessibilidades são as prendas há muito desejadas.