MPT diz que governo PS é obrigado a “engolir um elefante” por causa do PCP e BE

mptO Movimento Partido da Terra (MPT), pela pena do coordenador regional, Roberto Vieira, emitiu hoje um comunicado acusando o PCP-PEV e o BE  de forçarem o PS a acabar com os Subsídios às Escolas Privadas.

“Mais uma vez o Governo Socialista é obrigado a engolir um “elefante” através das imposições feitas pelo PCP-PEV e BE, para que estes continuem a apoiar a coligação mais virtual da História da democracia, após o 25 de Abril”, revela.

Para o MPT existe em Portugal a Escola Pública e as Escolas Privadas, disso não podemos ter dúvidas. Também sabemos que as Escolas Privadas apresentam melhores resultados que as Públicas. Esta realidade só é possível porque o Privado oferece um conjunto de ações mais consistente e também um normativo de regras mais exigente. Se a Escola Pública tivesse por parte do Governo um normativo idêntico, talvez nunca se tivesse criado as Escolas Privadas. A estruturação de fundo da Escola Pública está por fazer há mais de 20 anos.

“Aos poucos vamos vendo que afinal o Governo é PS, mas quem comanda é o PCP-PEV e BE, fazendo com que os primeiros sejam apenas uma marionete, amordaçados por dois partidos que roçam o radicalismo, pondo em causa a liberdade, a democracia e a viabilidade de reestruturação de Portugal”, revela.

“Com esta política populista de cortes engendrada pelo PCP-PEV e BE estes dois partidos vieram a público pôr em causa milhares de postos de trabalho. Se o Governo aceitar o que lhe é imposto pelos dois partidos que o suportam, teremos nos próximos anos milhares de professores, contínuos, administrativos, auxiliares de limpeza, etc, no desemprego”, assina Roberto Vieira.

“Será que estes futuros desempregados do Ensino Privado podem ter menos consideração pelo PCP-PEV e BE, sendo assim completamente desprezados por estes? O MPT tem a certeza que os ideais que defendem, são contraditórios com aquilo que pretendem operacionalizar, ou seja, as pessoas quando não têm nada, estes partidos são os seus maiores defensores e agora que têm postos de trabalho, querem mandá-los para a miséria”, questiona.

Segundo o MPT, e ensino em Portugal caminha para o abismo há mais de 20 anos e pelos vistos, ainda estamos só a meio do caminho. Sem olharmos para o ensino Público e Privado para que ambos possam ser mais uniformizados e equilibrados, quer na qualidade, quer na obtenção de resultados, então estaremos a caminho de uma maior degradação do ensino Público.

O MPT refere ainda que para o Ensino poder ser a alavanca de progresso, todas as turmas desde o Primeiro Ciclo até ao Secundário não podem ter mais do que 20 alunos, para que o professor possa dar atenção a todos os seus educandos.