Teatro do Avesso encena ‘A Farsa do Mestre Pathelin’

Farsa (1)
O Teatro do Avesso continua a apoistar no projecto originalmente intitulado ‘Os clássicos não são uma seca’ . Depois de “Servidor de dois Amos”, uma comédia, de equívocos e desencontros que contava a história de um criado, que servia dois patrões e do “Os Rústicos”, outra comédia de costumes, que através de uma divertida história, satiriza comportamentos, ridiculariza atitudes e escarnece alguns modos de pensar ultrapassados, eis que chega a terceira produção do Teatro do Avesso, “A Farsa do Mestre Pathelin”

A estreia será no dia 28, seguindo-se nos dias 29 e 30 de Abril duas outras apresentações, às 21h30, na Ponta do Sol.

“Continuamos a apostar num teatro popular, revisitando os clássicos, tazendo-os até aos nossos dias, procurando o diálogo com um público eclético”, refere o ‘Teatro do Avesso’.
“Escolhemos “A Farsa dos Mestre Pathelin”, um peça medieval de um autor anónimo. Há quem refira que pertence a Antoine de la Sale ou a Pierre Blanchet, não existindo certezas relativamente à autoria do texto.
O Doutor Pathelin, um advogado mentiroso caído em desgraça, vai à
feira comprar um tecido para a sua esposa Guilhermina, também ela uma mulher com poucos escrúpulos. Como não tem dinheiro, monta uma trapaça para burlar o feirante, Guilherme. O feirante, figura também dada a intrujices, vê na situação uma maneira de vender gato por lebre, exigindo uma quantia exorbitante por um tecido que não vale meio tostão. Ao mesmo tempo, Guilherme, está a ser enganado por um pastor que guarda as ovelhas que dão a lã para os seus tecidos. No final, acaba tudo em tribunal, num julgamento presidido por um Juiz de ética duvidosa, que actua com parcialidade nas suas sentenças”.

São, pois, “cinco personagens com uma coluna vertebral desviada, que tentam constantemente enganar-se mutuamente, querendo tirar vantagem de qualquer situação. Em suma, um texto de sátira de costumes e um hino ao chico-espertismo que continua a ser tão actual nos dias de hoje”, referem os membros deste grupo teatral.

Dados sobre este espectáculo: 

Encenação e Texto Cénico | Diogo Correia Pinto
Figurinos e Cenografia | Ana Patrícia
Luz | António Freitas
Som | João Santos / Luís Melim
Cartaz | DDiart
Design Gráfico | Roberto Ramos
Assist. Produção | Maurícia Gabriel
Produção | Rúben Silva

Elenco:
Adriano Martins
Carlos Vieira
Miguel Ângelo
Duarte Correia
Norberto Silva