Espectáculo ‘Imagine’ regressa a Santo António

imagine

O “Imagine”, um espectáculo de vários autores, com dramaturgia de Ester Vieira e encenação de Duarte Rodrigues, pelo grupo Oficina Versus, da Direcção de Serviços de Educação Artística e Multimédia (antigo Gabinete Coordenador de Educação Artística) volta ao Cine Teatro de Santo António nos próximos dias 10, 11 e 12 de Março, às 15 h, 11h e 21h30 e 21h30, respectivamente, nos três dias sucessivos.

As escolhas do  Oficina Versus têm como critério os valores sociais e inclusivos, orientados para a reflexão e para a mudança de atitudes, uma função subjacente à da natureza do próprio Teatro enquanto linguagem artística, canal de comunicação e veículo de transformação da consciência humana, refere a informação oficial.

Quanto a ‘Imagine’, é um trabalho cénico que reúne 30 pessoas em palco. Num mesmo espectáculo e, paralelamente às temáticas de histórias de vida de pessoas com necessidades especiais, o evento apresenta um elenco inclusivo, com a comunicação cénica em LGP (Língua Gestual Portuguesa) e com a participação especial de 18 alunos de uma escola de referência para alunos surdos (EB1pe Eleutério de Aguiar).

A acção decorre num Teatro, entre ensaios. Os actores vão contando as suas histórias reais,  em episódios de vida, soltos de  flashes inesperados das suas  memórias.  Nessas histórias emerge o dramatismo das suas vidas, pequenas vitórias e grandes causas. Todos falam na primeira pessoa, com domínio, consciência e convicção de si mesmos. No processo criativo, emergem as marcas e os limites, o esforço e a superação, reza um comunicado enviado pela DSEAM às redacções.

Fala-se da gravidez de mulheres paraplégicas, da sexualidade e do preconceito, da comunicação gestual castrada, da paixão inocente, da humilhação, da injustiça e do incrível talento de Emmanuelle Laborit que vence todos os limites e se torna maior do que  alguma vez ousou imaginar. No final, no embalo de ‘Imagine’ de John Lennon, canta-se numa outra língua, a mostrar que o mundo não depende de palavras entendíveis, mas de um poder interior, capaz de vencer todos os limites.