RTP/M arrisca gasto elevado e manda equipa de reportagem à América Latina com Albuquerque

venezuela 1
Segundo esta imagem já divulgada pela RTP/M, o presidente do GR participou no primeiro jantar com membros da comunidade venezuelana. Foto RTP/M

Apesar da forte limitação de custos que recai sobre o centro regional da televisão, os diretores Martim Santos e Miguel Torres Cunha arriscam um investimento bastante oneroso para enviar uma equipa de reportagem à Venezuela e depois a Miami, a pretexto da deslocação oficial de Miguel Albuquerque. Um gasto assumido exclusivamente pelo centro regional.

A própria RTP, através dos seus repórteres, como Paulo Jardim, já estão a divulgar no seu site, os encontros do presidente do GR com a comunidade venezuelana de emigrantes madeirenses.

Esta decisão, já foi noticiada e criticada pelo blog “Fénix do Atlântico”, porque são dinheiros públicos investidos numa visita de menor importância, quando outros assuntos editorialmente mais pertinentes e necessários nem sempre merecem cobertura devida, mesmo na Região.

Visão contrária tem a direção da RTP/M que assume esta reportagem de exterior como uma aposta informativa na divulgação das várias vertentes da vida dos emigrantes madeirenses na Venezuela e Miami. Como o presidente do GR estará em Miami, é a oportunidade para efetuar reportagens de relevo sobre os investidores, a grande oferta empresarial que ali se apresenta e a aposta no turismo de cruzeiros. É, pois, uma opção editorial que vale pela diversidade de reportagens jornalísticas que poderão ser divulgadas aos madeirenses, já que a equipa permanece cerca de uma semana em terras da América Latrina.

O certo é que esta é uma visita relâmpago de Albuquerque à América Latina. A que decorre neste momento, à Venezuela, ao longo de dois dias para contactos com os emigrantes portugueses locais, ligados a grandes áreas de negócios. Depois um “salto” de um dia a Miami para reunir com elementos da grande companhia de cruzeiros Carnival para um abrir de relações comerciais com a Madeira e, quem sabe, trazer para esta Região, as escalas de navios de cruzeiros desta marca internacional.