Portas na Festa dos Romeiros para lembrar experiência de Rodrigues em São Bento

DSC03115
Portas cerra fileiras em torno do amigo José Manuel Rodrigues.Fotos CDS-PP.

O líder do CDS-PP tirou esta segunda feira para vir à Madeira acompanhar José Manuel Rodrigues nas ações de pré-campanha. Destino: Chão dos Louros na Festa dos Romeiros. Nem a chuva nem a agenda cheia de Portas o dissuadiram de apoiar com firmeza Rodrigues. Como sempre, de forma objetiva e clara, Portas deixou uma mensagem essencial: “O candidato à Assembleia da República, José Manuel Rodrigues, é o único, dos 171 candidatos, com experiência como parlamentar na Assembleia da República”. Mas não só, salientou o líder nacional: “É o único a comprometer-se com o novo hospital”.

O tempo ajudou pouco. Mas a festa animou com política e bailinho, naturalmente regado com os “refrescos” do arraial. Foi assim a pré-campanha de hoje dos populares. Portas e José Manuel Rodrigues, uma dupla de políticos a também desfazer equívocos: não há coligação PSD-CDS na Madeira.Mais: no boletim de voto o CDS aparece isolado: Na Madeira, o PSD governa há 40 anos e o CDS é o principal partido da oposição, responsabilidade essa que foi reconfirmada nas últimas eleições regionais.

Exibindo um exemplar do Boletim de Voto para as Eleições do Próximo dia 4 de Outubro, o presidente do CDS, apontou para o símbolo do CDS-PP que aparece isolado e para o quadrado correspondente onde colocar a cruz, reconfirmando a intenção de esclarecer os eleitores de que na Madeira se vota para eleger deputados que representem os interesses dos madeirenses na Assembleia da República.

Portas considerou que José Manuel Rodrigues é de longe o candidato melhor preparado para os desafios pós-programa de ajustamento, em particular naquela que é a prioridade das prioridades: a construção do novo hospital da Madeira.

 A experiência e a dedicação a favor da Madeira e são a prova de que ao votarem no CDS-PP os eleitores garantem uma representação que colocará os interesses dos madeirenses à frente dos interesses partidários, salientou Portas.

Depois, depois foi o regresso do também vice-primeiro ministro ao Continente onde o espera uma extensa agenda de solicitações.