Quatro portugueses nos 25 melhores do Open da Madeira

Roppe Kakko com a taça na cerimónia de entrega de prémios. (Helder Santos/ASpress)
Roppe Kakko com a taça na cerimónia de entrega de prémios.
(Helder Santos/ASpress)

Roope Kakko sagrou-se campeão da 23ª edição do Madeira Islands Open Portugal BPI, que terminou hoje no Clube de Golfe do Santo da Serra, após quatro dias de provas. O finlandês, de 33 anos, fixou um novo recorde do torneio para 72 buracos, com 24 pancadas abaixo do Par (66+71+64+63), quebrando as -22 do êxito de Ricardo Santos em 2012.

Consagrando prémios no valor global de 600 mil euros, o evento ficou ainda marcado pelo desempenho dos portugueses. Quatro jogadores nacionais terminaram o open nos primeiros 25 lugares. O vencedor do grupo foi Tiago Cruz que conseguiu o primeiro top-ten da sua carreira em torneios do European Tour, qualificando-se para o Made in Denmark, de 1,5 milhões de euros em prémios, que começa a 18 de agosto. No final da competição, o jogador não dava por certa a sua presença neste evento, tendo de ponderar os custos associados.

Tiago Cruz, o melhor português. (Helder Santos/ASpress)
Tiago Cruz, o melhor português. (Helder Santos/ASpress)

O campeão nacional, de 33 anos, integrou o grupo dos 10 classificados, a sua melhor classificação de sempre a este nível, com um total de 275 pancadas, 13 abaixo do Par, depois de voltas de 73, 69, 65 e 68, que passa a constituir também o seu melhor resultado de sempre em etapas da primeira divisão europeia.

Apesar de não ter havido uma vitória portuguesa, para repetir o triunfo de Ricardo Santos em 2012, nem por isso o golfe nacional deixou de estar de parabéns e isso mesmo foi salientado por António Henriques, o presidente do Clube de Golfe do Santo da Serra, no seu discurso na cerimónia de entrega de prémios: «Foi a primeira vez que tivemos quatro portugueses no top-25 deste torneio».

Com efeito, Filipe Lima ficou a uma pancada de igualar Cruz no top-ten, terminando em 13º empatado, com as mesmas 12 pancadas abaixo do Par de Ricardo Santos. Para estes dois portugueses, foi a melhor classificação no European Tour de 2015 e para Lima foi igualmente a segunda melhor no Challenge Tour.

Ainda dentro do top-25, exatamente em 25º empatado (-9), fixou-se Ricardo Melo Gouveia, que perdeu o posto de nº1 da Corrida para Omã do Challenge Tour, descendo para 2º, ultrapassado pelo novo campeão do evento que mais promove internacionalmente a Região Autónoma da Madeira.

O mais discreto dos portugueses na Madeira, dos cinco que passaram o cut, foi Pedro Figueiredo, que fechou a sua participação no 52º posto empatado (-3). Mesmo assim, o ex-campeão nacional ascendeu do 150º para o 137º lugar na Corrida para Omã.

No final, foram entregues os prémios alcançados nas diversas categorias. Aqui ficam os mais expressivos e quem levou o cheque para casa.:

Roope Kakko – 100 mil euros

Tiago Cruz – 11.120 euros

Filipe Lima – 9.220 euros

Ricardo Santos- 9.200 euros

A cerimónia de entrega de prémios contou com a presença de Manuel Agrellos, presidente da Federação Portuguesa de Golfe, e de Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional da Madeira, que entregou a taça ao vencedor.

Ricardo Franco, presidente da Câmara Municipal de Machico, Jorge Carvalho, secretário regional da Educação e Recursos Humanos, Kátia Carvalho, diretora regional de Cultura, Turismo e Transportes, e José Maria Zamora, diretor de torneios do European Tour, foram também convidados de honra.