Madeira regista diminuição de desemprego e é a única região do país a aumentar ofertas de emprego

De acordo com os dados disponibilizados pela Secretaria Regional de Inclusão Social e Cidadania, o número de desempregados inscritos, no Instituto de Emprego da Madeira, diminuiu no mês de junho (10904 inscritos). Face ao mês anterior, foram menos 965 desempregados inscritos.

É preciso recuar até fevereiro de 2009 para verificar um  valor inferior ao registado no último mês. Comparando os valores dos meses homólogos dos últimos anos, o recuo teria de ser até 2008, período anterior à última grande crise financeira, para se encontrar um valor mais baixo do que o registado neste mês de junho.

Comparativamente a junho de 2021, contam-se menos 8.168 desempregados na Região Autónoma da Madeira (RAM), o que corresponde a um decréscimo de 42,8%.

Comparativamente ao mês homólogo, todas as regiões registam descidas acentuadas. A RAM, uma vez mais, destaca-se com a segunda descida mais vincada (-42,8%) de entre todas as regiões, apenas atrás do Algarve (-51,2%), numa descida bem mais significativa do que quando comparada com a média nacional (-25,3%).

Também face ao mês anterior, a RAM apresenta a segunda descida mais acentuada (-8,1%) de entre todas as regiões, apenas novamente atrás do Algarve (-18,7%). Todas as outras regiões apresentam descidas menos acentuadas, tendo a média nacional reduzido 4,7%.

O número de inscritos há menos de 1 ano diminuiu em 9,9% face a maio de 2022, enquanto o número de desempregados de longa duração diminuiu 7,0%.

O desemprego jovem (menos de 25 anos) continua a registar descidas proporcionais mais elevadas do que as verificadas no desemprego global, quer face ao mês homólogo (-60,9%), quer comparativamente a maio de 2022 (-16,1%).

Ofertas de Emprego e colocações aumentam na Região

A RAM destaca-se como sendo a única Região com um crescimento homólogo do número de ofertas captadas (+7,2%). Todas as outras regiões apresentam um decréscimo homólogo, com a média do país a fixar-se em -26,9% e o Algarve a destacar-se com -57,0%.

O mesmo verifica-se no crescimento homólogo das colocações (+30,4%). Segue-se a região de Lisboa e V. Tejo com um aumento de 1,3% no número de colocações face a junho 2021, enquanto todas as outras regiões registam decréscimos. Evidencia-se a região do Algarve com a redução homóloga mais significativa (-67,6%), contribuindo para a redução global de -19,9%.