Assembleia do Renovamento com Bispo do Funchal a desafiar cristãos para o anúncio de Jesus com “cara alegre”

Bispo do Funchal alerta: “E tu, cristão, que felicidade Jesus nos propõe diante dos nossos olhos? A felicidade é estar na casa do Pai”.

“O que é para ti a felicidade? O que te faz correr, trabalhar, para onde caminhas?” Esta foi a interpelação central e profunda da homilia do Bispo da Diocese do Funchal lançada sobre os participantes na XII Assembleia do Renovamento Carismático Católico da Diocese do Funchal, que hoje se realizou no Centro de Congressos do Casino da Madeira, sob o lema “Faça-se em mim segundo a Vossa Palavra” (Lc 1, 38). Após o mote para reflexão, intervalado por um silêncio coletivo para introspeção, centrado no Evangelho do Filho Pródigo, D. Nuno Brás insistiu na questão, desta vez com uma resposta categórica: “E tu, cristão, que felicidade Jesus nos propõe diante dos nossos olhos? A felicidade é estar na casa do Pai”.

As encruzilhadas da vida, continuou a sustentar o Bispo da Diocese do Funchal, atiram-nos para outras rotas que não “a casa do Pai”. “Tantas vezes o pecado acontece, quando substituímos a Casa do Pai por outra coisa qualquer, mesmo sendo cristãos”. Por conseguinte, o apelo pungente do Prelado da Diocese foi convidar, também os carismáticos, a optarem por uma “vida diferente”, porque, na esteira de Paulo, “quem aceita viver em Cristo, vive de forma diferente, é viver esta felicidade com Deus, aquela felicidade que nada nem ninguém nos pode tirar. Os mártires são disso exemplo. Preferiram a morte a viver a vida sem Deus”.

No entanto, o principal responsável pela Diocese do Funchal fez um alerta à forma como comunicamos Jesus. “Tantas vezes os cristãos falam de Jesus com uma cara de gente pouco feliz. Precisamos de ter uma cara de gente feliz para anunciar Jesus, para mostrar que viver com Deus nos faz feliz e esse é o grande objetivo de toda a caminhada”.

A Equipa Diocesana do RCC na Madeira, coordenada por Maria da Paz Carvalho, viveu hoje momentos de grande unção do Espírito Santo que se derramou com poder nesta XII Assembleia, adiada por questões de natureza pandémica. Membros de diversos grupos de oração carismáticos da Região e demais leigos confluíram hoje para Casino e deram por bem empregue esta opção de ir ao encontro de Jesus através da Corrente de Graça centrada no Espírito Santo que é o RCC. Os cânticos de louvor a Jesus e as invocações permanentes ao Espírito Santo, o âmago do RCC, criaram uma atmosfera de unção e de bênção muito forte, sem esquecer também a homenagem permanente à Virgem Maria, como a primeira carismática e a medianeira de todas as graças.

Maria da Paz, coordenadora da equipa diocesana do RCC, lembrou a importância da caminhada sinodal (caminhar juntos).

A Assembleia do RCC contou com os ensinamentos de quatro sacerdotes que, em traços gerais, centraram as suas alocuções na importância de viver com a graça de Deus, partilhar esse encontro com o próximo e ter sempre a intercessão de Nossa Senhora.

Também o padre Paulo Sérgio não quer cristãos com “cara de vinagre” e que se leve Jesus “às periferias”.

Inspirado em Maria, a primeira missionária e carismática, o padre Paulo Sérgio convidou os cristãos não apenas a percorrerem o caminho até às suas igrejas mas a caminharem até as periferias, aos lugares onde Jesus está esquecido.

O padre Alberto Vicente quer uma igreja que saiba crescer fazendo perguntas, sem medo.

Já o padre Alberto Vicente advogou que a nossa alegria deve ser plena da graça de Deus, desafiando a assembleia a perder os medos. “Muitas vezes, temos receios de fazer perguntas e, assim sendo, temos uma igreja estática, porque não se pergunta: o que quer Deus da minha vida? Maria também fica perturbada com o anúncio do anjo e pergunta como será dar a luz ao salvador do mundo. Também nós precisamos dizer, “Eis-me aqui” e perguntar a Deus o que deseja de nós.

O Cónego Manuel Ramos apela aos jovens carismáticos que participem ativamente nas Jornadas Mundiais da Juventude, em Lisboa, 2023.

Também o cónego Manuel Ramos testemunhou a importância de ter uma ligação muito íntima com a Mãe de Jesus, apelando à oração do Santo Terço. “Por Maria, voltemos sempre a Jesus, saibamos construir a igreja de Jesus, fraterna e humana. Ser Cristão é viver a fé em Jesus Cristo e acolher Maria, Mãe de Jesus, como sua mãe. O RCC também deve trilhar este caminho sinodal”. Apelou ainda à participação ativa dos jovens carismáticos nas Jornadas Mundiais da Juventude, em Lisboa, 2023.

O padre Marcos Pinto conduziu o momento mais alto da Assembleia, a adoração ao Santíssimo Sacramento, apelando à conversão de todos e convidando a entregar a Jesus vivo as necessidades da Assembleia. Lembrou que “tantas vezes somos esse filho pródigo que abandona o pai e regressa, sendo recebido de braços abertos, pela misericórdia infinita do pai”.

O padre Marcos Pinto, na Adoração ao Santíssimo Sacramento, um dos momentos altos do encontro.