Pedro Calado e Albuquerque afirmaram que o PSD é que merece estar na CMF

O comício do ‘Funchal Sempre à Frente’ registou ontem à noite  casa cheia no bairro da Nazaré, na freguesia de São Martinho, durante o qual Pedro Calado apresentou à população algumas  das áreas prioritárias do seu programa, nomeadamente na componente social.
Calado assegurou mais ajudas às famílias com baixos rendimentos, aos que estão desempregados e  às empresas porque são elas que criam postos de trabalho. O candidato do PSD/CDS à presidência da Câmara Municipal do Funchal (CMF) garantiu que os apoios sociais vão ser mantidos e reforçados para quem tem baixos rendimentos.
“Todos aqueles que trabalham, saem das suas casas às 7 horas da manhã e que regressam muitas vezes às 10 horas da noite, passaram um dia fora de casa, deixaram os filhos nas escolas, esses sabem a dificuldade que é hoje alimentar um lar. Para esses que recebem muitas vezes o  salário mínimo, nós vamos reforçar os apoios sociais”, garantiu.
Para além do emprego, Pedro Calado  também quer  facultar as creches gratuitas, apoiar o transporte escolar e a aquisição dos manuais escolares. A  Câmara  vai complementar a ajuda que o Governo Regional já concede no âmbito da acção social escolar.
O cabeça-de-lista à CMF diz também querer desenvolver políticas de apoio aos idosos, alguns  abandonados em casa, sem ninguém para falar. Defende a ajuda das Associações de modo a que possam entregar as refeições  nas casas das pessoas. Esse trabalho faz-se entre as juntas, a autarquia, o Governo, as IPSS e Casas do Povo. “Temos que trabalhar em conjunto para honrar os nossos idosos”, defende.
Em relação ao  emprego, assumiu  o compromisso de estabelecer contactos com as entidades patronais quer do comércio, da restauração, do turismo de todas as áreas para fazer aumentar os ordenados que hoje são pagos. “Só com dignidade é que temos pessoas felizes e essa dignidade não se faz com  esmolas”, afirmou.
Na área da habitação  prometeu novos investimentos e a reabilitação dos fogos  que já existem,  aproveitando as verbas do Plano e Recuperação e Resiliência.  Estão disponíveis 136 milhões de euros só para esta área.
Depois de apresentar a política social para os próximos 4 anos, Pedro Calado foi contundente nas criticas ao actual presidente da CMF a quem acusa de nada ter feito pelo povo e pela cidade. Entende que Miguel Silva Gouveia não merece estar na autarquia. “Merece  um voto de desconfiança. Nós é que  merecemos estar no dia 27 na CMF”, afirmou.
“Nós queremos um socialismo que rouba a população ou nós queremos uma social-democracia que ajuda a população  a criar emprego e as famílias a crescerem?” questiona o candidato do PSD/CDS que acusa Miguel Silva Gouveia de ter optado por pagar dividas ajudando as instituições  financeiras em vez de ajudar a população e as empresas.  E deixa a denúncia: “Deve 60 milhões de euros à Empresa de Electricidade da Madeira  e à Empresa de Água e Resíduos da Madeira”.
Pedro Calado também criticou o facto de terem sido cobrados 100 mil euros  de taxas à Investimentos Habitacionais da Madeira (IHM) para  fazer  trabalhos de arranjos e colocar andaimes para  pintar as casas. Entende que estes 100 mil euros teriam dado para fazer pequenas intervenções, como por exemplo, adaptar casas de banho para os idosos.
Por seu turno, para Miguel Albuquerque, o actual presidente da autarquia é um “bluff, um  caloteiro e não é inteligente”.
“São aldrabões porque mentiram sobre o Pedro Calado”, acusou.
O presidente do partido apelou aos presentes no comício que votem no domingo na única alternativa, que em seu entender é o ‘Funchal Sempre à Frente’.
Já Marco Gonçalves, candidato a presidente de Junta de São Martinho disse contar com todos para fazer renascer a freguesia e colocar a cidade do ‘Funchal Sempre à Frente’.