Dormir por cima da ponte, em vez de por baixo; no Funchal é outra coisa

Fotos: Rui Marote

Hoje a nossa secção “Imagem” é dedicada ao tema dos sem-abrigo. Em plena campanha eleitoral, não há como não constatar a não-resolução deste problema (que afecta muitas cidades), mas que tem impacto tanto na qualidade de vida dos locais, no turismo, e, naturalmente, nos próprios sem-abrigo.

“Dormir debaixo da ponte” passou a ser sinónimo de não ter abrigo, mas “dormir em cima da ponte” é outro nível. O clima mais favorável da Madeira ajuda, tirando uns aguaceiros ocasionais. Um sem-abrigo instalou-se de forma quase permanente em cima do passeio da Ponte do Ribeiro Seco. Não houve, aparentemente, cacifos ou caixas de correio que lhe valessem e o homem resolveu fazer da ponte a sua casa, mesmo à beira da ciclovia. A sua sorte é o varandim da ponte, senão, ao virar-se, corria o risco de despencar de considerável altura. É bonito? Não. É uma realidade de muitas cidades europeias? Sim. É agradável de ver, aqui no nosso Funchal? Não. De quem é a responsabilidade? Governo, Câmara? Decidam-se.