Pedro Calado compara a atual Câmara do Funchal a um Fiat 500 e promete mudar a face da cidade

Pedro Calado está confiante na vitória eleitoral em setembro. Fotos FN.

Pedro Calado, vencedor do Rali Vinho Madeira com Alexandre Camacho, acredita que a 26 de setembro a corrida eleitoral para a Câmara Municipal do Funchal será ganha pelo PSD. O candidato à presidência da autarquia faz fé na inteligência das pessoas que quererão “uma cidade com mais dinamismo, aberta à juventude, com uma perspetiva de vida mais diferente, com qualidade de vida para os idosos e com os  patamares de excelência que tinha há uns anos”.

Com algum humor, tendo por base a gíria automobilística, e a pedido do FN, Pedro Calado compara esta Câmara “a um Fiat 500, praticamente parado”. Justamente porque a vê como “uma Câmara parada e estagnada, que praticamente começou a funcionar há um mês, por estarmos em circunstâncias eleitorais. Nos últimos 8 anos, não vimos investimento na cidade do Funchal, não vimos um projeto arrebatador, dinâmico que marcasse a cidade”. Por isso, o atual vice-presidente e candidato à presidência da CMF quer imprimir ritmo e atratividade ao Funchal.

Tudo indica que a corrida eleitoral para a maior autarquia da Madeira será bipolarizada, entre o atual presidente, Miguel Gouveia, e Pedro Calado. “O mesmo afinco no trabalho que tenho colocado no governo” é, desde já, aquilo que Calado promete à população para o distinguir do seu adversário. Exatamente como também coloca na prática desportiva automobilística, querendo fazer parte de “uma cidade dinâmica e inovadora, com perspetivas concretas de trabalho para os mais jovens, com uma economia de longevidade a trabalhar em pleno, e tornar a investir na cidade o que não foi feito nestes 8 anos”. Aliás, Calado lamenta que esta cidade se apresente “muita suja, com problemas graves de abandono e de delinquentes nas nossas ruas, com estabelecimentos fechados, animais abandonados, enfim, há muita coisa para fazer”.

Como na gíria jornalística, se surgir óleo na estrada nesta corrida eleitoral, Calado não desarma. “Se aparecer, teremos condições para superar todas as adversidades”.

Falando ao FN, à margem da festa da juventude, nos jardins da Quinta Magnólia, Pedro Calado adianta que os treinos para a corrida eleitoral já arrancaram há algum tempo. “Estamos a trabalhar neste projeto da CMF com muita atenção e realismo. Eu próprio estou a sair da nossa zona de conforto para abraçar um projeto, por forma a proporcionar um projeto de vida com mais qualidade”.

Quanto à ideia de orfandade com a saída de Calado da vice-presidência do GR, desdramatiza, pois lembra que só entrou “em 2017 e o governo já tinha trabalho no terreno e tem condições para continuar a fazer um excelente trabalho. A equipa que lá está promete um trabalho de excelência.”