Jacinto Serrão critica “atrasos” do concelho de Câmara de Lobos

O PS-M veio hoje considerar que o concelho de Câmara de Lobos apresenta vários atrasos significativos decorrentes dos problemas de ordenamento do território, colocando-o atrás dos outros concelhos da RAM.

Esta tarde, os socialistas estiveram nas zonas altas da freguesia da Quinta Grande (mais concretamente no sítio da Cruz da Caldeira), no âmbito do roteiro ‘Fazer Diferente’, esta semana subordinado à temática do “Ambiente e Gestão Urbana”. O candidato à presidência da Câmara Municipal de Câmara de Lobos frisou, na oportunidade, que o ordenamento do território é fundamental nas políticas públicas, para provocar um desenvolvimento sustentado do concelho.

Jacinto Serrão, que se fez acompanhar pelo líder parlamentar, Miguel Iglésias, e pela deputada Elisa Seixas, apontou a questão da mobilidade, com problemas no trânsito em diversas ruas do concelho e problemas de estacionamento que “infernizam a vida da população todos os dias”.

Citou igualmente problemas de saneamento básico, de recolha de lixo e limpeza dos espaços públicos e ainda relacionados com a distribuição de água. Tal como afirmou, atendendo aos relatórios que têm sido apresentados, estas são situações que “deixam Câmara de Lobos na cauda dos concelhos da RAM”.

Jacinto Serrão diz não ser compreensível que Câmara de Lobos apresente este atraso significativo relativamente a outros municípios, tendo em conta as condições que teve para fazer os devidos investimentos. “É uma realidade que resulta da falta de estratégia e de coordenação política por parte de quem governa o poder local”, denunciou.

O socialista criticou também o facto de, nas obras de repavimentação de estradas, muitas delas “feitas à pressa e em véspera de eleições,” não se aproveitar para fazer pequenas bolsas de estacionamento e resolver os problemas do trânsito em todas as freguesias, bem como para colocar o saneamento básico e espaços de recolha de lixo. “Nem isso eles estão a fazer. Continuam a adiar um problema do concelho e a deixar Câmara de Lobos mais uma vez para trás em relação a todos estes indicadores que dizem respeito ao ordenamento do território”, considerou.