BE insiste na proposta ao GR para requisição de hospitais e clínicas privados

O BE Madeira reafirma, no Dia Mundial da Saúde, a proposta que fez para o Governo Regional, ao abrigo do estado de emergência, requisitar os hospitais e clínicas privados e enquadrá-los na resposta a dar na prestação de cuidados de saúde que ficaram para segundo plano com a pandemia.
É conhecido o atraso nas cirurgias, nas consultas e em outros actos, que com a prioridade dada à COVID-19 ficaram ainda mais atrasados, diz o Bloco. “Os doentes não COVID não podem ficar esquecidos e é criminoso não usar todos os meios disponíveis para atender a essas pessoas”, refere uma nota.
“Lamentamos o não acolhimento desta proposta, o que tal como no âmbito nacional, revela que para os governantes os negócios na saúde contam mais que as vidas dos cidadãos”, salientam os bloquistas.
“Se alguma lição podemos retirar da experiência da pandemia é que os serviços públicos de saúde são fundamentais, precisam de ser valorizados, pois são a única forma de assegurar cuidados de saúde a todas as pessoas e em particular em contextos de emergência”, refere-se.