Eurodeputado Francisco Guerreiro também contra a estrada das Ginjas

O eurodeputado Francisco Guerreiro (Verdes/ALE) pediu à UNESCO que trave a intenção do Governo Regional da Madeira de pavimentar cerca de 10 quilómetros de estrada na floresta Laurissilva, considerando tal acto como “pejado de inutilidade e que desembocará em mais uma lesão do meio ambiente”.

“É atentar contra a ecologia regional pavimentar quase 10 quilómetros numa área de Património Mundial Natural como é a floresta Laurissilva, casa de inúmeras espécies de plantas e animais endémicas da Madeira e da Macaronésia (muitas delas ameaçadas). A existência desta floresta consubstancia o cerne ecológico da ilha, fundamental na manutenção do equilíbrio do seu ciclo hidrológico, sendo determinante na disponibilidade e qualidade da água, na contenção de enchentes e na protecção do solo”, considera o eurodeputado.

Em causa está o projecto “Caminho das Ginjas – Paul da Serra”, que prevê a construção e  pavimentação de 9,25 quilómetros de estrada, um percurso natural que é, amiúde, utilizado pelos serviços florestais e entidades associadas, em trabalhos de investigação científica, vigilância, restauro e protecção do ecossistema e das espécies ameaçadas.

Francisco Guerreiro alerta que esta iniciativa ‘poderá mesmo colocar em risco a denominação atribuída pela UNESCO.