CDS-PP apresenta voto de pesar pelo falecimento do major-general Gabriel Arcanjo Branco de Olim

O CDS-PP apresentou na Assembleia Legislativa da Madeira uma nota de pesar pelo falecimento do general Gabriel Arcanjo Branco de Olim, “médico aeronáutico com a patente de Major-General, que viveu grande parte da sua vida pelo mundo, mas era nosso conterrâneo. Madeirense de nascimento, Gabriel Olim nasceu em Machico, a 24 de Março de 1947. Este filho ilustre de Machico, dotado de um currículo brilhante, era licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Lisboa, em 1973 e tinha completado a sua formação em outras Universidades e instituições académicas no estrangeiro, como o University College Hospital, de Londres, entre 1980 e 1981; o Foreign Officer School, Air University, Alabama, EUA, em 1982; o Chemical Warfare Defense Training, School of Aerospace Medicine, Brooks AFB, Texas, USA, igualmente em 1982, entre outras”, enumeram os centristas.

“Era Especialista em hematologia, Ordem dos Médicos, desde 1982; e médico aeronáutico pela School of Aerospace Medicine, Brooks, Texas, EUA, também desde 1982. Dono de um percurso invejável, pautado pela excelência, Gabriel Olim foi Presidente do Conselho Directivo do Instituto Português do Sangue, I. P., nomeado em Novembro de 2006, mas fora também Director do Centro de Transfusões de Sangue de Macau, 1988-1995; Temporary adviser da Organização Mundial de Saúde no Grupo de Trabalho para Controlo das Anemias Hereditárias, Chipre, 1983; e Consultor da
Organização Mundial de Saúde para a Elaboração e Redação das Normas de Autotransfusão para Países em Vias de Desenvolvimento, Genebra, Suíça, em 1990”.

A sua vasta experiência profissional e o seu currículo fizeram dele uma referência a nível mundial, assevera o líder parlamentar do CDS, Lopes da Fonseca, “pelo que se tornou Conferencista Convidado para reuniões científicas sobre hemoglobinopatias ou transfusões, em Itália (Instituto superior di Sanita di Itália – Roma e Hospital Magiori di Milano – Milão); na China (Chinese Red Cross – Pequim e Chinese Medical Association Zhuhai-Guandong); na Índia (Indian Society of Blood Transfusion and lmunohemoterapy, em Nova Deli, Madurai e Madras); em Macau e em
Portugal”.

No âmbito da sua carreira militar, Gabriel Olim esteve colocado em Alverca, Tancos, Açores e Sahara Ocidental. “E entre os muitos louvores e distinções que recebeu, destacamos o Louvor do brigadeiro director de Saúde da Força Aérea, Lisboa, em 1984; o Louvor do Brigadeiro Comandante da Zona Aérea dos Açores, Lajes, em 1988, a Medalha de Comportamento Exemplar da Força Aérea, Lisboa, em 1991. Novamente, destaque para a Medalha de Ouro de Comportamento Exemplar, em 2005, Medalha de Mérito Aeronáutico de 1.ª classe, também, em 2005 e Medalha das Nações Unidas, no Sahara Ocidental, em 2000”, refere ainda a nota.

Este ilustre médico militar, é reconhecido pela sua personalidade de grande envergadura clínica, científica e ética. Quem teve o privilégio de privar com ele, afirma que Gabriel Olim era um grande patriota, um madeirense indefetível. O seu gosto pela investigação histórica fez, também, com que publicasse alguns artigos na Revista Islenha, revista coordenada pela Secretaria Regional de Turismo e Cultura, através da Direcção Regional da Cultura.

“Este membro activo da Tertúlia de Madeirenses em Lisboa era, também, Cidadão Honorário da Cidade de Montgomery, Alabama, EUA, desde 1982. Além das suas atividades militares e médicas, Gabriel Olim tinha vários cursos de língua chinesa. Neste sentido, a Assembleia Legislativa da Madeira, legítima representante dos povos da Madeira e Porto Santo, expressa o seu mais profundo pesar pela morte do MajorGeneral Gabriel Arcanjo Branco de Olim, personalidade ímpar e, expressa as mais sentidas condolências à sua família”, conclui o voto de pesar do CDS.