Raimundo Quintal dá conta de desaparecimento de pedras ornamentais que cobriam tanque na serra

Antes…. Fotos Raimundo Quintal

O professor Raimundo Quintal denunciou hoje o desaparecimento de pedra num tanque na estrada que dá acesso ao Pico do Areeiro.

Segundo Raimundo Quintal, em 2015 foi construído um tanque na estrada Poiso-Pico do Areeiro, um pouco acima do Poço da Neve, com o objectivo de armazenar água e abastecer os camiões dos bombeiros em caso de incêndio.
“Esta infraestrutura surgiu na sequência do pavoroso incêndio de Agosto de 2010, que causou enormes danos, alguns irreparáveis, no ecossistema do maciço montanhoso central. Logo, uma obra necessária e merecedora do aplauso de quem luta pela recuperação das formações vegetais do quarto andar fitoclimático”, revela.
…Depois.

Talvez porque havia muito dinheiro, o tanque de betão foi revestido com pequenos rectângulos de basalto (foto 1).

Acontece que naquela altitude (1650 m) o gelo no Inverno (geada, granizo, neve) fractura o basalto e esboroa os muros de protecção da estrada.
“Era expectável, para quem estuda o clima da alta montanha, que a crioclastia rapidamente iria provocar a descolagem dos bonitinhos rectângulos de basalto. Menos de seis anos após a inauguração da obra, parte do betão já está à vista (fotos 2) e as pedras ornamentais desapareceram. Com certeza não foram levadas pelo vento, apesar de ter soprado muito forte”, ironiza.