CMF andou hoje a realizar limpeza e fiscalização na baixa

Mais de uma centena de colaboradores da Câmara Municipal do Funchal, e vários elementos da Polícia de Segurança Pública, estiveram envolvidos hoje de manhã em trabalhos de limpeza e fiscalização na baixa da cidade. Os mesmos foram acompanhados de perto pelo edil funchalense, Miguel Gouveia, e pela vice-presidente Idalina Perestrelo, detentora do pelouro do Ambiente.

A operação foi classificada como “inédita” por Miguel Gouveia, que explicou que a iniciativa “compreende actividades de limpeza urbana, com a desobstrução de sarjetas para preparar a época das chuvas, e ainda acções de fiscalização que visam avaliar situações em que o espaço público esteja a ser utilizado de forma indevida”.

O autarca acrescentou ainda que o departamento municipal responsável pela causa animal está igualmente “a verificar se os animais de companhia que estão na baixa do Funchal estão devidamente chipados ou vacinados, pois têm sido reportadas à Câmara Municipal do Funchal situações em que algumas pessoas, em permanência, usam os animais para pedir dinheiro e são esses animais que vamos avaliar se estão em condições e se estão a ser tratados devidamente”.

Esta mega operação levada a cabo por quatro departamentos do Município do Funchal compreendeu a varredura manual nos principais arruamentos da cidade, a varredura mecânica, com recurso a duas auto varredouras, na zona velha da cidade e na Avenida do Infante, e diversas acções que não são realizadas diariamente, nomeadamente a limpeza de sarjetas, desinfecção de pontos críticos na via pública, lavagem de mobiliário urbano (papeleiras e contentores), recolha de resíduos depositados nas papeleiras e nas ilhas ecológicas, e fiscalização do espaço público e da causa animal.

O presidente aproveitou ainda a ocasião para esclarecer que “ao contrário do que diz a oposição, a cidade não está mais suja, é justamente porque somos o ano inteiro uma cidade limpa que nos temos destacado e recebido esse reconhecimento, quer através de elogios de quem nos visita, quer por via de diversos prémios como é o caso da Bandeira Verde Eco-21”, assegurou.

“Apesar do contexto de pandemia em que vivemos e da queda do sector turístico não nos permitir ter o aglomerado de pessoas na baixa do Funchal a que estávamos habituados, é importante mantermos a cidade com a presença dos nossos colaboradores, demonstrando que o Funchal continua a ser uma cidade boa para se visitar, excelente para se viver, e uma cidade próspera para quem aqui quer fazer os seus negócios”, concluiu.