Socialistas querem acção e celeridade maiores do GR no apoio ao Turismo

Os deputados do PS-M realizaram hoje na Placa Central da Avenida Arriaga uma conferência de imprensa na qual defenderam uma postura mais activa do Governo Regional, relativamente aos problemas que o sector turístico atravessa. Os socialistas entendem ser grande a a necessidade de maior celeridade nos apoios às empresas ligadas ao turismo, bem como na salvaguarda do emprego.

O presidente do PS-Madeira, Paulo Cafôfo, começou por contextualizar o panorama regional, ao referir que “estamos a sentir já, infelizmente, sinais muito negativos no que diz respeito ao sector do turismo”.

O também deputado socialista à Assembleia Legislativa da Madeira referia-se, concretamente, às últimas notícias que dão conta de um despedimento colectivo do histórico  hotel Reid´s, apontando ainda que o grupo parlamentar do PS tem conhecimento que “outras unidades hoteleiras estão a atravessar grandes dificuldades”, e prevendo também as consequências que irão resultar do cancelamento da operação dos navios AIDA, na Região, ao nível do sector de restauração e de animação turística.

“O turismo, sendo um sector importante para a Região, com 26% do PIB e 17% do emprego, e tendo em conta a realidade que estamos a atravessar, implica que haja mais acção por parte do Governo Regional”, sublinhou.

Paulo Cafôfo afirma mesmo que “sendo o sector do qual nós [Região] mais dependemos, a acção do Governo Regional deve ser mais concentrada”, como forma de “evitar o fecho das empresas de animação turística, unidades hoteleiras e restauração”.

O deputado socialista abordou assim os sucessivos atrasos nas linhas de apoio criadas pelo Governo Regional, lembrando a linha de 20 milhões, anunciada em Abril, e que, ontem abriu as candidaturas. O parlamentar diz mesmo que “o Governo Regional deve ser mais célere e rápido a actuar”, como forma de evitar o sufoco das empresas e o consequente despedimento dos funcionários.

Paulo Cafôfo considerou ainda que ao nível da promoção do destino Madeira, a Região não está a “rentabilizar a questão da confiança e do bom controlo da crise sanitária que teve, com o baixo número de pessoas infectadas”.

Este, disse, é um factor que deveria estar a ser potenciado na promoção do destino Madeira, mas é também algo que nós, Grupo Parlamentar do PS, defendemos e que foi chumbado na Assembleia Regional, que se prende com a criação de um fundo para captação de novas rotas aéreas”, argumentou.

O presidente do PS-Madeira conclui que “é essencial olharmos para o turismo e esta questão dos dinheiros para promoção ou para a captação de novas rotas aéreas como uma prioridade para o Governo Regional, porque os tempos que se adivinham não serão fáceis e, portanto, em vez de guerrilhas políticas ou de pertenças candidaturas do presidente do Governo Regional a Belém, o foco deveria ser a economia com particular incidência no turismo, no apoio às empresas e no combate, sem tréguas, ao desemprego”.