Voltar a ser Escuteiro

Nesta época louca em que se cortam cabeças às estátuas de Baden Powell como alegado racista, lembrei-me que são decorridos 70 anos desde que vesti a minha primeira farda de Lobito. Sinceramente, não sabemos onde começa o espírito escutista dentro de cada um de nós …sabemos apenas que “escuteiro uma vez …escuteiro toda a vida”.

 Abracei esta escola de vida durante 22 anos. E acabei por recordar-me dela não só por causa do vandalismo às estátuas, mas por causa do coronavírus.

 O fundador Robert Baden Powell incutiu-me um espírito que ao longo da minha vida serviu e ainda serve de orientação para os problemas quotidianos: “Não existe ensino que se compare ao exemplo”.

 Curiosamente, acabo por recordar com saudades os momentos felizes e o que aprendi no escutismo, por causa de toda a sinalética que a Covid-19 obrigou a instalar entre nós, no meio urbano.

 Por todo o lado, em farmácias, centros comerciais, lojas, estabelecimentos, encontramos no chão uma série de indicações que me fazem lembrar os sinais de pista que aprendi na alcateia.

 Hoje, claro, os tempos são outros. Os materiais usados nessa sinalética são autocolantes coloridos que conspurcam o ambiente quando são descartados, ao contrário dos que construí no campo com ramos de árvores, folhas, pinhas e pedras. Belos tempos. Não havia então álcool gel e a lavagem das mãos era água corrente das levadas. Era um mundo diferente. O fundador dizia-nos que “a melhor maneira de superar as dificuldades era atacá-las com um um sorriso magnífico”.

Hoje tudo mudou, o sorriso é substituído pelo medo, os nossos rostos estão sempre atemorizados e o temor e a contestação viram-se até contra a figura de Baden Powell.

Qual será o futuro da economia mundial?! É uma incógnita, mas convém preservar no nosso comportamento alguma coisa das “pistas” que aprendemos na infância em escolas como o escutismo, para que sejamos todos um pouco mais civilizados. Não vale a pena virar as nossas inquietações contra as estátuas…

“Tempos difíceis criam homens fortes, homem fortes criam tempos fáceis e tempos fáceis criam homens frágeis que criam tempos difíceis”…

A vida é um ciclo e teremos que passar os nossos próprios tempos difíceis…

Que possamos olhar o passado e aprender com ele e construir um futuro verdadeiramente novo!