Sara Cerdas reuniu-se com a Comissária Europeia Stella Kyriakides, para debater Saúde

A eurodeputada socialista Sara Cerdas esteve esta tarde com a nova Comissária da Saúde no Parlamento Europeu, Stella Kyriakides, em Estrasburgo, numa reunião de trabalho e de partilha de pontos de vista sobre as próximas estratégias para assegurar as melhores políticas em saúde, refere uma nota às Redacções.

A eurodeputada socialista colocou em cima da mesa diversos temas que considera fundamentais para fortalecer a abordagem da União Europeia na saúde, com benefícios directos para todos os cidadãos em todos os Estados-Membros, desde a investigação à melhoria no acesso em saúde, como a aposta na promoção de saúde, prevenção, diagnóstico e tratamento.

Na reunião, Sara Cerdas sublinhou a importância do investimento e partilha de boas práticas para a investigação, no sentido de encontrar tratamentos alternativos no combate à resistência aos antimicrobianos. “É preciso apostar e investir na investigação e descoberta de novos fármacos, pois estamos a deixar de ter resposta às infecções resistentes a todas as classes de antibióticos. Prevê-se que esta condição aumente nos próximos anos, surtindo efeitos graves na saúde a todos os níveis, com danos económicos globais incalculáveis. Precisamos de agir imediatamente, apostar em parcerias bilaterais e promover a pesquisa, o desenvolvimento e a inovação.”

Outro tópico que a eurodeputada destacou foi a melhoria e uniformização da rotulagem dos alimentos em todos os Estados-Membros, que actualmente apresenta disparidades, por considerar que “um maior conhecimento sobre os alimentos permite uma escolha mais informada e consciente, bem como a promoção de estilos de vida saudáveis, com consequências directas para a melhoria da saúde e prevenção de doenças futuras”.

Sara Cerdas, que recentemente foi nomeada relatora para o Relatório do Parlamento Europeu sobre o Cancro, reforçou a importância do Plano Europeu de Combate ao Cancro, que será apresentado no próximo mês, e propôs à Comissária a análise de medidas que incorporem as necessidades específicas das Regiões Ultraperiféricas, que devido à sua localização geográfica poderão apresentar carências no acesso e equidade aos tratamentos oncológicos e inovação tecnológica.

Por fim, quanto ao acesso aos medicamentos e as questões relacionadas com os “medicamentos órfãos”, ou seja, medicamentos específicos para doenças pouco frequentes, Sara Cerdas defende que os Estados-Membros devem trabalhar em conjunto para regular o mercado e alcançar preços mais acessíveis, visando um acesso equitativo aos medicamentos. “A partilha de avaliações e informações dos medicamentos entre Estados-Membros contribuirá para uma melhor capacidade de negociação do preço dos fármacos. Também temos verificado falhas no fornecimento de medicamentos comuns, devido ao desinvestimento da industria farmacêutica e descontinuidade de certos fármacos”. A eurodeputada socialista questionou que estratégias pode a União Europeia promover para garantir a continuidade no fornecimento de medicamentos, especialmente em doenças crónicas, cada vez mais prevalentes com o envelhecimento da população. “As Regiões Ultraperiféricas, como é o caso da Madeira, devido às suas características, serão as primeiras regiões da UE a serem afectadas por estas falhas, não só devido à sua localização, mas por uma capacidade de armazenamento inferior ao território continental”, referiu.