Rui Barreto salienta no Porto Santo importância do Estatuto do Cuidador Informal

O líder do CDS, Rui Barreto, esteve na manhã de hoje junto ao Centro de Saúde do Porto Santo, no âmbito de uma visita de trabalho à “Ilha Dourada”. Acompanhado pelo presidente da estrutura local, Miguel Matos, numa acção de divulgação do trabalho político que tem sido realizado pelo CDS no âmbito do Estatuto do Cuidador Informal que culminou, ontem, na aprovação da Proposta de Recomendação na Assembleia Legislativa da Madeira, Rui Barreto aproveitou também para abordar o tema dos transportes, tendo realçado a necessidade de investimento no Aeroporto do Porto Santo.
Barreto começou por frisar que se deslocou ao Porto Santo para contactos com a população local, com os militantes e a estrutura concelhia, e para divulgar o Estatuto do Cuidador Informal, aprovado na generalidade na ALRAM e que “tem muita importância”, pois vai “reconhecer o papel daqueles que cuidam das pessoas que precisam de cuidados” de diversa ordem.
O dirigente centrista sublinhou que esta é uma tarefa “desgastante” e que estas pessoas “muitas vezes substituem-se ao Estado”, mas saudou o consenso, independentemente das diferenças ideológicas, que se gerou no parlamento madeirense a respeito deste assunto.
Comentando o problema dos transportes numa ilha que sofre de dupla insularidade, o dirigente do CDS considerou que o Porto Santo necessita de investimento, nomeadamente “no Aeroporto”, melhorando o estacionamento de aeronaves.
“O Governo da República, juntamente com a Vinci ou a ANA, deve investir para melhorar a capacidade de estacionamento de aeronaves, para melhorar a capacidade do Aeroporto do Porto Santo”, sentenciou, até por causa dos frequentes desvios de aviões do Aeroporto da Madeira para a ilha vizinha.
Por outro lado, criticou também o “preço exorbitante” nas ligações aéreas entre a Madeira e o Porto Santo. “Ninguém entende como é que uma transportadora aérea espanhola recebe um milhão e novecentos mil euros por ano durante  três anos, e que tenha aumentado a aeronave de 19 lugares na anterior companhia aérea para 70, e continue a praticar preços como os que eu paguei, de 160 euros”.
O CDS promete apresentar um voto de protesto sobre estes preços elevados.