Associação do Caminho Real assinalou 2.º aniversário

Foto DR.

Neste domingo, a Associação do Caminho Real da Madeira assinalou, na freguesia do Caniço, o seu segundo aniversário com uma caminhada pelo Caminho Real 23.

O percurso de aproximadamente 7 km juntou mais de uma centena de caminheiros, com idades compreendidas entre os 8 aos 83 anos, num passeio que aliou a actividade física ligeira à componente cultural e histórica, em contexto urbano e semiurbano.

Pelo caminho, houve a oportunidade de explorar algum do património edificado da freguesia como a Capela da Consolação (1591) no sítio da Quinta, o relógio e o moinho de água no sítio da Azenha, a igreja Matriz do Caniço (1783), dedicada a São Lourenço e Santo Antão, a Empresa de Automóveis do Caniço com dois autocarros clássicos restaurados, a apelar à memória dos caminheiros com maior experiência de vida. E ainda a Mercearia do Noé, a resgatar o imaginário do grupo para outros tempos. A paragem na Capela da Mãe de Deus (1536), um templo mariano único, contou com uma descrição apaixonada do enquadramento histórico e arquitectónico pela voz do prof. Emanuel Gaspar.

A chegada ao Forte do Porto Novo (1827), foi abençoada com a chegada da chuva, que, apesar de cair com alguma intensidade, não conseguiu demover os entusiastas do Caminho Real, de assistir ao inédito concerto do Tiago Sena Silva neste local. A ocasião permitiu ainda constatar a força motriz da identidade madeirense, onde a vontade suplanta qualquer adversidade.

No final, os resistentes cantaram os parabéns, sendo partilhado o bolo de aniversário da Associação do Caminho Real da Madeira pelos presentes.

A Associação agradece à junta de Freguesia do Caniço, à Associação Retoiça, à pintora Ângela Caires, à poetisa Maria Fernandes, ao incansável Nelson Rosário, entusiasta do caminho e orgulhoso canicense. De enaltecer ainda o espontâneo apoio dos vizinhos do Forte, importante para o sucesso do concerto final.

Associação cresce e consolida-se

Com dois anos de existência a ACRM conta com 72 sócios e uma rede que suplanta as quatro dezenas de parceiros por toda a ilha, assumindo um papel activo na divulgação, valorização e preservação dos caminhos reais da Madeira.

A próxima actividade está prevista para a semana anterior à Páscoa com a III Volta à Madeira pelo Caminho Real 23.