Intervenção na Praça do Município começa este ano, Câmara do Funchal já recebeu estudo prévio

Bruno Martins anunciou que a intervenção na Praça do Município arranca este ano.

A intervenção na Rua Dr. Fernão Ornelas e na Praça do Município, visando criar espaços para a população e com retirada da circulação automóvel regular, são considerados, pela Câmara do Funchal, como “grandes projetos catalisadores de mudanças dinâmicas para a cidade”. Foi isso mesmo o que disse o vereador Bruno Martins, que tem o pelouro da Reabilitação Urbana, na sessão de abertura do  Ciclo Formativo sobre Reabilitação Urbana, promovido pela Autarquia, em parceria com a Ordem dosquitetos – Delegação da Madeira, no âmbito do Acordo de Colaboração “Abre Portas”. A sessão, nos Paços do Concelho, contou com mais de cem pessoas presentes.

O vereador confirmou que a Câmara já recebeu o estudo prévio relativamente à intervenção na Praça do Município, da autoria do arquiteto Gonçalo Byrne, sendo que os trabalhos deverá estar no terreno ainda este ano. “O Funchal dinamiza todo este processo sob o signo da regeneração do espaço público, não só no sentido de reabilitar edifícios, mas também de trazer habitação jovem para o Funchal, um projeto que estamos neste momento a desenvolver, a par de outros. Estamos, a desencadear um efeito multiplicador e potenciador de evidentes mais-valias para a economia local, numa visão de crescimento harmonioso e em respeito pelos valores patrimoniais da cidade do Funchal.”

Relativamente à iniciativa propriamente dita da formação, Bruno Martins começou por destacar a relevância deste ciclo formativo, que “integra um tema fundamental para a nossa cidade, que é a Reabilitação Urbana, considerada pelo Presidente Paulo Cafôfo o desafio da década para o Funchal”, aludindo, de seguida, ao trabalho de fundo dos últimos anos, com a criação da primeira Área de Reabilitação Urbana da Região, e o Programa de incentivos fiscais Cidade com Vida, bem como a Revisão do PDM do Funchal, 21 anos depois, prevendo, na sua génese, a promoção da reabilitação urbana.

O autarca sublinhou, na ocasião, o interesse que o património edificado histórico detém na identidade cultural da cidade do Funchal, recordando outros passos importantes liderados pelo Município, como a classificação das muralhas do Brigadeiro Oudinot e a classificação das pontes históricas do Funchal, para explicar, de seguida, que

O Funchal mantém-se, neste momento, no pódio a nível nacional, no que diz respeito ao número de intenções de candidaturas ao IFRRU 2020 – Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas, bem como à emissão de pareceres prévios de enquadramento, segundo os dados da estrutura de gestão do IFRRU.

O ciclo formativo continua na próxima segunda-feira, dia 18 de fevereiro, com o arquiteto Filipe Borges de Macedo a abordar o tema da “Reabilitação a custos controlados”, a partir das 9h. Por fim, na última segunda-feira do mês, a 25 de fevereiro, a professora Dulce Lopes irá debater, pelas 9h, “A Concretização da Reabilitação Urbana em Portugal”, sendo que, da parte da tarde (14h), o encerramento deste ciclo ficará a cargo do arquiteto Rui Campos Matos, com o tema “Quintas Madeirenses – especificidades e formas de intervenção”.