Quem será o rei… mago?

Ilustração José Alves.

Hoje é dia de cantar os reis e o Estepilha não resiste a fazer umas quadras:

Venho-vos cantar os reis/ Em ano de Eleições/ São três para ganhar/ Ou haverá confusões.

Mais vale ser rei por um dia/ Do que duque toda a vida/ Seja Albuquerque ou Cafôfo/ O que interessa é a maioria!

Com “geringonça” ou “gangorra”/ Quero ao camelo subir/ Para ver a ilha toda/ a pedir, pedir, pedir…

Não sei se o rei vai nu/ Ou se um ou outro é borracho/ Sabendo o que é a política/ O que mais importa é o tacho.

Sejam magos ou magros/ O Povo pede cautela/ Não tenham barriga de rei/ nem o rei na barriga.

Todos querem ganhar/ Nem que seja preciso fazer passar o camelo pelo buraco da agulha/ Baltasar, Gaspar e Belchior vela para que ninguém seja trafulha.

Em ano de três eleições/ Ninguém quer ficar maldisposto/ Haja ouro, incenso e mirra/ Desde que não haja “rei morto, rei posto!”