28 fogos nos Viveiros com mais 70 na forja na Quinta das Freiras e na Penha de França

O Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, e o restante Executivo Municipal inauguraram esta manhã, no Bairro dos Viveiros, em São Pedro, 28 novos fogos que foram construídos pela Câmara Municipal do Funchal, ao abrigo do Programa Amianto Zero.

Segundo uma nota de imprensa, com este programa, enalteceu Paulo Cafôfo, “a Câmara Municipal do Funchal vai construir um total de 66 novos apartamentos, num investimento global de 5 milhões de euros, que vai melhorar a qualidade de vida de cerca de 300 pessoas, erradicando um problema de saúde pública que persistiu durante décadas.”

“Em julho, foram concluídos os primeiros oito fogos na Quinta Falcão e esta semana lançámos a primeira pedra das 30 habitações que se seguem em Santo António. Hoje, por seu lado, temos o prazer de inaugurar estes 28 novos apartamentos do Bairro dos Viveiros, em São Pedro, cumprindo a missão que nos tem norteado desde o início.”

O Presidente reforçou, de seguida, que “lançámos as sementes do Programa Amianto Zero há dois anos e, desde então, a Câmara Municipal do Funchal é a entidade que adjudicou mais construção de habitação social na Região, e tudo feito com verbas exclusivamente camarárias. Este não foi um processo fácil, como de resto raramente acontece com empreendimentos públicos desta dimensão, mas estivemos sempre focados naquele que é o único objetivo que interessa: a melhoria da qualidade de vida das pessoas.”

Paulo Cafôfo aproveitou a ocasião para anunciar “dois novos projetos já em desenvolvimento pela Câmara Municipal do Funchal em termos de habitação social, que constituirão 70 novos fogos na Quinta das Freiras, em Sto. António, e na Penha de França, no Imaculado Coração de Maria.”

“Vamos lançar, com a Ordem dos Arquitetos, um concurso de ideias para estes projetos, continuando a mudar a perceção daquilo que é a construção de habitação social na nossa Região. Queremos não só habitação coletiva, como igualmente vivendas geminadas, casas com quintal, espaços públicos e ajardinados, espaços para a prática desportiva e centros comunitários para o nosso trabalho com as pessoas ser realizado.”

O Presidente concluiu que “a Habitação Social no Funchal será feita de espaços humanizados e com qualidade de vida, não de guettos, e por isso criaremos espaços onde as crianças possam brincar e crescer e onde as pessoas idosas possam continuar a aprender e a ser felizes. A habitação é um direito fundamental, mas as pessoas têm direito ao futuro e vamos garantir esse futuro.”