Vereador do PS critica Castro por ter dado “cheque em branco” a Idalino

Menezes de Oliveira
Menezes de Oliveira está contra a delegação de funções, por parte de Idalino no seu vice presidente, aprovada hoje na reunião da Câmara do Porto Santo.

Menezes de Oliveira, vereador do PS na Câmara Municipal do Porto Santo, criticou hoje uma proposta aprovada pelo Executivo, em reunião camarária, na qual o presidente Idalino Vasconcelos delega funções de representação do Município no seu vice presidente Pedro Freitas “em assuntos que são de vital importância e que apenas deveriam ter representação por parte do presidente”.

O vereador socialista considera que “há assuntos em que a representação é justificável, mas outros não, parece que o presidente está a demitir-se das suas próprias funções”. E aponta essa mesma delegação de funções em matéria “determinantes” como seja “o assunto Águas e Resíduos da Madeira, onde a Câmara é acionista”, bem como alguns processos judiciais de “relevância para a Câmara”.

Face a esta proposta, os vereadores do PS votaram contra, mas Menezes de Oliveira critica o posicionamento do vereador único do Movimento “Mais Porto Santo”, José António Castro, “que uma vez mais viabilizou uma proposta do PSD”. Diz ser “com grande tristeza que vimos esta proposta passar com três votos, dois do PSD e um do “Mais Porto Santo”, beneficiando do que já tem sido hábito, dos cheques em branco por parte do vereador José António Castro”.

Para Menezes de Oliveira “não podem pactuar com demissões de funções por parte do presidente”, sublinhando que “já parece o presidente do Governo a delegar funções no seu vice presidente”.