António Costa censurado pela Assembleia Legislativa da Madeira; apenas PS-M apoiou o primeiro-ministro

Fotos: Rui Marote

O diferendo entre o PSD-Madeira (ou o Governo do PSD Madeira) e o primeiro-ministro português, António Costa, preencheu hoje novamente boa parte do debate no plenário da Assembleia Legislativa Regional. Como o FN ontem deu conta, o deputado social-democrata Carlos Rodrigues exigiu mesmo na sessão de quarta-feira que António Costa se afastasse da vida pública, brindando-o com toda a sorte de epítetos e de críticas. Hoje decorreu a “parte 2” desta intervenção, na senda da indignação de que o PSD e o Executivo madeirense têm dado conta, inclusive pela voz do seu presidente, Miguel Albuquerque, por causa das palavras de Costa relativamente às contas da Madeira e ao modo como, em seu entender, têm agravado as do país.

Hoje Carlos Rodrigues não esteve sozinho nas acusações de mentiroso a António Costa e na exigência da sua demissão; foi secundado por vários dos seus colegas de bancada. Avelino Conceição, deputado do PS, veio em defesa de Costa, mas foi acusado de servilismo por Carlos Rodrigues. No final, foi aprovado um voto de protesto contra as declarações de António Costa, consideradas infelizes. E pelos vistos a maioria dos deputados da Assembleia Legislativa da Madeira comunga desse sentimento, já que o CDS apoiou votando a favor da proposta do PSD, e os restantes partidos abstiveram-se, excluindo o PS, o único que votou contra.

Entretanto, foi também apresentado um voto de congratulação pelo trabalho desenvolvido pela Orquestra Clássica da Madeira, da autoria da deputada social-democrata Rubina Leal.