BE quer que Escola Hoteleira passe a ser gerida pelo sector público e termine concessão a privados

O Bloco de Esquerda anunciou hoje que dará entrada na ALRAM, na próxima segunda-feira, um projecto de resolução de sua autoria que recomenda ao Governo Regional a reversão da concessão da Escola de Hotelaria para o sector público, ou seja, para o Governo Regional.  O Bloco que recorda que, em 2009, o então GR decidiu concessionar a exploração deste estabelecimento de ensino na área do turismo a um grupo privado pelo período de 15 anos.

“Desde 2014, por irregularidades várias, nomeadamente o incumprimento do pagamento de rendas a que esse concessionário privado estava obrigado para com a Região, entre outras irregularidades na gestão da própria Escola de Hotelaria, que o actual Governo Regional anuncia a intenção de rescindir o contrato”, referiu o deputado bloquista Roberto Almada, também coordenador do BE na Região.

No entanto, apontou, o GR concessionou por mais um ano, até ao final do corrente ano lectivo, em Agosto de 2018. A própria secretária do Turismo, aquando da discussão do orçamento, referiu que o GR iria ponderar se renova a concessão ou não. Mas o BE entende que “chega de trapalhada” em torno deste estabelecimento de ensino, “importantíssimo para a Região”.

“Como já se viu, os privados não gerem melhor a coisa pública do que o sector público”. Por isso, o projecto de resolução do BE aponta para que já no próximo ano lectivo a Escola passe para a alçada do sector público, à semelhança de outra escola profissional, a Escola Dr. Francisco Fernandes.