PCP salientou contributo para as reivindicações dos trabalhadores da administração pública

O PCP realizou na sexta-feira uma jornada de contacto com os trabalhadores da administração pública, com o  objectivo declarado “de valorizar a defesa, reposição e conquista de direitos, que tem sido possível nos últimos 2 anos com o contributo insubstituível do PCP”. No Hospital Nélio Mendonça o dirigente do PCP, Ricardo Lume, considerou que o apoio dos comunistas aos trabalhadores na sua luta pelas reivindicações que consideram justas, tem sido essencial para a conquista de direitos e rendimentos, em passos que, “embora limitados, têm um efeito positivo para a generalidade dos trabalhadores”.

“Estamos solidários com as várias formas de lutas que os trabalhadores têm desenvolvido para garantir a melhoria das condições de trabalho bem como pelo aumento das suas remunerações”, referiu, salientando que, “por iniciativa e com a contribuição do PCP, estarão inscritos no Orçamento de Estado a reposição de direitos como por exemplo; o pagamento por inteiro do trabalho nocturno e das horas extraordinárias e a revisão da tabela remuneratória dos assistentes operacionais”.

Por outro lado, “apesar de considerarmos positivo o descongelamento da progressão de carreiras, achamos injusto que a grande maioria dos trabalhadores, que desde 2008 viram as suas carreiras congeladas, não sejam contemplados pela progressão de carreira, já em 2018, devido à fórmula encontrada pelo Governo da República para a progressão das carreiras”.

Na Assembleia Legislativa Regional, o PCP, para dar resposta a necessidades específicas da Região já apresentou uma proposta de resolução que defende os 25 dias de férias por ano para todos os trabalhadores da administração pública regional e das empresas de capitais públicos da RAM, independentemente do vínculo laboral, bem como já apresentou um projecto de decreto legislativo regional com o objectivo de alargar o subsídio de insularidade a todos os trabalhadores da RAM.