Liliana Rodrigues nomeada para relatório sobre modernização da educação na UE

A eurodeputada Liliana Rodrigues foi nomeada pelo Grupo Socialista do Parlamento Europeu para acompanhar a elaboração do relatório sobre a Modernização da Educação na União Europeia.

Segundo uma nota de imprensa hoje divulgada, a nomeação decorreu no âmbito da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros, cabendo a Liliana Rodrigues garantir que os objectivos desta Comissão ficam devidamente salvaguardados no referido relatório.

Para a deputada socialista, “desafiar os estereótipos e preconceitos de género existentes nas escolas não é tarefa fácil, tanto para os decisores políticos como para todos os profissionais envolvidos nos diferentes sistemas educativos dos Estados Membros”.

Por isso mesmo, acrescenta Liliana Rodrigues, “devemos intensificar esforços, a nível regional, nacional e europeu, no sentido de eliminar todas as barreiras que continuam a impedir que metade da população usufrua das mesmas oportunidades. A educação é um instrumento fundamental na mudança de atitudes e comportamentos com vista a uma sociedade mais justa e democrática.”

Liliana Rodrigues, actualmente a trabalhar em três relatórios desta Comissão, apresenta como algumas das suas prioridades: “garantir que os materiais e os currículos escolares sejam sensíveis às questões de género; o intercâmbio de boas práticas, de forma a promover uma educação livre de estereótipos de género e de todas as formas de violência; a representação equilibrada das mulheres nos órgãos de gestão; a formação de todos os profissionais da área da educação para esta questão e ainda a criação de uma cultura de igualdade dentro das instituições educativas que pode ser incentivada, por exemplo, através de prémios para as escolas que se destaquem nesta área ou mesmo pela inclusão da igualdade de género nas listas de critérios para a avaliação escolar”.

A deputada madeirense lembrou ainda o bom trabalho que tem sido desenvolvido por Portugal, destacando que os direitos humanos, a igualdade de género e a interculturalidade estão entre os temas que serão de abordagem obrigatória em todos os ciclos de ensino, no âmbito da Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania.

A nova estratégia começou a ser aplicada já este ano lectivo, nas 235 escolas que integram o projecto-piloto de flexibilidade curricular. Os temas a abordar serão desenvolvidos na nova disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, prevista nas matrizes curriculares que estarão em vigor nessas escolas, na qual os alunos terão classificação à semelhança do que sucede nas outras disciplinas.