Crónica Urbana: resolver o problema dos ventos no aeroporto…

Rui Marote
Cá estamos de volta, após uma pausa prolongada, durante a campanha eleitoral.
Ora, este tema está na ribalta e tem corrido mundo nas manchetes internacionais.
Construimos hotéis e os turistas vêm-se impedidos de cá chegar.
Claro que impedir os ventos cruzados naquela área, só Deus…
Mas este ano ultrapassámos o recorde de encerramento da pista e somos o aeroporto mais penalizado do planeta.
Com as alterações climáticas e as mudanças meteorológicas, vamos continuar a bater recordes todos os anos.
A fama ninguém nos tira. Chegado esta tarde do aeroporto da Madeira, meditava nas imagens que registei, elucidativas do que mais parecia uma evacuação de centenas pessoas a fugir de uma guerra.
Escutei um grupo de pessoas que manifestava, ironicamente: desde que o aeroporto passou a chamar-se Cristiano Ronaldo” os ventos não nos largam… Outros comentavam: “porque não fazem um novo aeroporto!”
Claro que não temos dinheiro para um novo hospital, muito menos para aeroportos… agora No meu tempo, fotografei múltiplos locais que eram indicados para a construção de um novo aeroporto, porque já na altura o aeroporto de Santa Catarina estava considerado “condenado”, já lá vão 40 anos.
Recordo os lugares que se chegaram a mencionar: Paul da Serra, Santo da Serra e até São Martinho…
No Santo chegou-se a comprar terrenos e fizeram-se testes, sendo o projecto abandonado para dar origem a uma vacaria.
No Paul da Serra o problema era o nevoeiros e as vias de acesso ate ao centro do Funchal. Hoje isso é questão que menos se põe, porque estamos servidos de vias rápidas no que na altura eram caminhos de cabras.
Conclusão de todas estas historietas: o aeroporto é em Santa Cruz, e ponto final. Iniciaram-se as expropriações e mãos à obra. Foi uma história longa. Mais tarde foi o aumento da pista e contraímos uma bela dívida para construir o que existe hoje, com a garantia de que teríamos aviões de longo curso. Os madeirenses viram esse sonho só no dia da inauguração. Lá diz o ditado: foram-se os anéis e ficaram os dedos. É apertar o cinto.
Como resolver? Ora, esta situação é o “Ovo de Colombo”. A alternativa continua a ser o Porto Santo que é território da Região Autónoma, para o qual divergem os aviões quando são impedidos de aterrar.
Para isso será necessário criar condições para ser alternativa ao Aeroporto da Madeira Cristiano Ronaldo.
Se tivermos um um barco rápido que faça Porto Santo – Madeira em 60 minutos, garantiremos a nossa galinha de ovos de ouro, que é o Turismo.
Resta aos nossos governantes e empresários criar essas condições.