Artur Andrade sai da Câmara do Funchal e responsabiliza transferência de votos para a Coligação “Confiança”

Funchal-CDU-Artur Andrade C
Artur Andrade, da CDU, sai da Câmara do Funchal depois de 12 anos na qualidade de vereador.
Logo 1 de outubro
Logotipo José Alves

Artur Andrade, candidato da CDU à Câmara do Funchal, não conseguiu votos suficientes para ser reeleito. Sai ao fim de 12 anos a participar nas sucessivas vereações. Uma derrota que o próprio explica, em declarações ao Funchal Notícias, como sendo “responsabilidade da transferência de votos para a Coligação Confiança”. Explica que “parte do eleitorado da CDU teve medo da possibilidade de Rubina Leal e do PSD regressarem à Câmara do Funchal com maioria, e por isso optaram pelo voto útil na Coligação”.

O candidato da CDU diz que os números indicam essa sua leitura, sublinhando que “a Coligação elegeu seis quando tinha cinco, o resto manteve-se igual, sendo que é evidente a transferência dos votos da CDU”. O resto, qualquer leitura que vá no sentido de que a CDU está a perder influência no eleitorado, não é seguida por Artur Andrade. Refere não lhe parecer que “estes resultados revelem uma menor influência social por parte da CDU”, pelo que, em sua opinião, “mantém-se o respeito que verificamos durante a campanha, pela ação da CDU”, apontando ainda que “a postura conhecida da CDU irá manter-se, quer na política local quer na política regional”.

Se a saída da CDU da Câmara Municipal do Funchal representa uma perda para a população, atendendo ao papel reivindicativo que carateriza esta Coligação Democrática Unitária, Artur Andrade considera que essa “é uma conclusão que as populações do Funchal deverão tirar. O facto de não termos, neste momento, uma intervenção direta na Câmara, significa que muitos dos problemas que nos colocam não terão eco no imediato, pelo que deste ponto de vista há uma parda. Mas a luta continua, utilizaremos outros meios para manter o posicionamento de exigência, de reivindicação e de apoio junto das populações”