Estudante dá testemunho contra preços exorbitantes das companhias aéreas: “Mais um ano, mais uma revolta…”

Celso Teixeira.

Um jovem estudante madeirense no continente, devidamente identificado, solicitou ao FN a publicação do seu testemunho de absoluta insatisfação face aos preços exorbitantes praticados pelas companhias aéreas. O assunto tem sido mais do que falado. É matéria recorrente e estafada. Mas também os estudantes sentem o tardar da mudança e a indignação inevitavelmente cresce.
“Chamo-me Celso Teixeira e sou natural da Ilha da Madeira. Neste momento, frequento
a Universidade do Minho, onde estou a tirar a Licenciatura em Ciências da
Comunicação.
Este ano, a chegada do Natal é, mais uma vez, angustiante e preocupante. O preço das
companhias aéreas para aquele que é o destino de eleição para passar não só Natal,
como a passagem de ano, é abusivo e excessivo. Sendo a época natalícia associada ao
convívio entre a família, qualquer estudante universitário que estuda fora da Madeira
sente-se revoltado, uma vez que os preços das viagens nesta altura ultrapassam os
500€, tornando-se, assim, uma condicionante.
Inúmeras famílias deparam-se com grandes dificuldades em trazer os seus filhos,
netos, sobrinhos à Ilha da Madeira para passar o Natal e, infelizmente, na maioria das
vezes, os estudantes acabam por passar o Natal sozinhos. E isto deve-se às
companhias aéreas. Dessa forma, é afetado não só o Natal dos estudantes como
das suas famílias e amigos.
São incontáveis os gastos financeiros dispensados com a Universidade e, a isto, soma-se a
preocupação em ter dinheiro para pagar uma viagem a um preço tão elevado. É irónico
como apenas o preço de uma viagem dá para pagar propinas, fotocópias, rendas,
contas e todos os outros gastos necessários para ter um bom aproveitamento escolar.
É inacreditável que, as mesmas companhias aéreas tenham passagens muito mais
baratas para outros destinos (mundialmente conhecidos). Neste caso, refiro-me às
duas companhias “rainhas” de que a Madeira dispõe: a Tap Portugal e a Easyjet.
Estando nós em setembro, o preço que as companhias aéreas dispõem já são
absurdos. É de salientar que a Easyjet é uma companhia Low-Cost, no entanto não se
afirma como tal, pois os preços das passagens são muito próximos da concorrência.
Por outro lado, a Tap Portugal, para a época natalícia, já conta com voos esgotados
e com preços a rondar os 500€, sem direito a bagagem de mão.
É certo que dispomos de um reembolso, designado por “subsídio de mobilidade”, que
define que, para viagens de ida e volta, com um valor igual ou inferior a 400€, é-nos
reembolsado esse valor, o que é uma mais-valia para os estudantes e residentes. Para
um estudante no continente, e já com o reembolso, a viagem fica a 65€ e, para uma
pessoa residente da Ilha fica a 86€. No entanto, o mesmo não acontece durante o
Natal, pois conseguirmos uma viagem igual ou inferior a 400€ é impensável.
Imaginemos que o preço da nossa passagem seria 350€. Desses 350€ era-nos
reembolsado 285€, o que seria ótimo para nós. Mas, no Natal a realidade é outra.
Estou cansado de todos os anos ler diversos textos sobre esta temática e o problema
continua por resolver. Será que não há ninguém que se chegue à frente e veja o
absurdo que é haver viagens a 500€ em época alta e em época baixa rondarem os
300€? Já basta. Já basta estes preços elevadíssimos. Já basta utilizar preços turísticos
para estudantes. Já basta dar prioridade aos turistas. É certo que a Madeira vive do
turismo, mas é certo também que deveriam reconhecer os madeirenses, em especial,
os estudantes que, no futuro, trarão novas ideias, novos conceitos, novos
conhecimentos e que enriquecerão a Ilha”.