Estepilha! Abandonado por você, Fafá, no Chão da Lagoa…

O Estepilha não nada em dinheiro, mas fez um pé de meia, arranjou uns trocos e lá foi de excursão à festa do PSD/M. Durante a semana, embalado pelo cartaz da fogosa Fafá de Belém, imaginava-se a vibrar, em dueto, com a musa brasileira, trauteando “Meu coração é vermelho”.

Chegado à Herdade e aquecido por umas ponchas, preparado para tirar o pé do chão, deixou desfilar a retórica política e de olhos esbugalhados no palco, eis que surge a cabeça de cartaz do arraial laranja. O Estepilha, já míope dos ácidos da poncha, perguntou se era Fafá em palco ou uma cantora marroquina, embrulhada em tecido multicolor e a cobrir a histórica fartura da mãe natureza que o cartaz vendeu a semana toda. Afinal, o nevoeiro e o frio na Herdade refrearam os ímpetos acalorados da vedeta brasileira e a generosa idade fez o resto.

O Estepilha, com o coração “vermelho”, lavou os olhos com cerveja e arregalou-os novamente palco acima, na ilusão de reencontrar a musa. Mas o antes e o depois era fatal. “Mas você não vem/nem leva com você/toda essa saudade/nem sei mais de mim/onde vou assim/fugindo da verdade…” Assistia a um show de erosão da idade, sem sombra das tiradas sensuais e fogosas de Fafá. Mais uma vez se comprova que, em política, se vende gato por lebre.

O Estepilha regressou à cidade e inevitavelmente deu de caras com o cartaz e a foto polida do fotoshop nas ruas do Funchal. E acabou a noite, em modo blues, sozinho e sem galera, cantando “Abandonado por você/tenho tentado te esquecer,/ um fim de tarde /uma paixão, /um fim da noite/ uma ilusão, no fim de tudo a solidão…”