CDS-PP apresentou candidatos por Câmara de Lobos

Foto DR.

A devolução aos munícipes da taxa máxima de 5% IRS durante os quatro anos do mandato; baixar a taxa de IMI ao máximo permitido por lei; equipar o Estreito de Câmara de Lobos com um lar de idosos; promover uma efectiva recolha selectiva dos lixos – o contrato com a Águas e Resíduos da Madeira é deficiente, caro e de pouca qualidade – são as principais propostas do candidato do CDS-PP à Câmara de Câmara de Lobos, João Paulo Santos.

Durante a apresentação dos candidatos aos órgãos autárquicos do concelho -Câmara, Assembleia Municipal e Assembleias de Freguesia -ontem à noite, num restaurante local, João Paulo Santos congratulou-se com “qualidade humana, técnica e profissional” de todos os candidatos, agradeceu a disponibilidade manifestada, e garantiu ter equipas para “responder com qualidade e excelência” aos problemas das populações de todas as freguesias.

Já o presidente do CDS-PP Madeira, António Lopes da Fonseca, manifestou-se agradecido pelo “excelente trabalho” da concelhia do CDS de Câmara de Lobos e por verificar que as listas de Câmara de Lobos são a prova de “um CDS renovado e em que as pessoas acreditam como uma verdadeira alternativa”.

Num discurso mais regional, disse que todos os candidatos do CDS-PP, em toda a Região, são escolha de pleno direito dos madeirenses e não “candidatos impostos e apoiados por Lisboa, como aconteceu ainda agora no Funchal”.

“O tempo dos capitães donatários já passou”, alertou o presidente do CDS-PP Madeira.

“Os madeirenses não gostam e não querem um senhorio qualquer que vem de Lisboa dar ordens e escolher os candidatos aos órgãos autárquicos da Região.”