PSD de Ricardo Sousa quer resolver situação dos Municipais e criar Centro de Ciência Viva no Museu da Baleia

Se a população de Machico der um voto de confiança ao PSD, Ricardo Sousa vai tomar as diligências necessárias para que a situação atual dos Bombeiros Municipais seja ultrapassada.

Numa visita efetuada ao quartel, a candidatura do PSD constatou que o principal problema da corporação prende-se com a falta de recursos humanos, mas há também muitas queixas dos profissionais relativamente à falta de reconhecimento pelo serviço prestado em prol da população, não tendo sido realizada qualquer de progressão na carreira, desde 2009, nem tidos em conta os aumentos na última atualização das remunerações dos funcionários camarários.

“Mais uma vez verificou-se que houve promessas de aumentar o número de profissionais e isso não veio a acontecer”, afirmou Ricardo Sousa. “É de lamentar. Nós vamos tentar, enquanto candidatura, quando o povo nos der a sua confiança, precaver essas situações para que não se entre em ruptura nos próximos anos, em termos de recursos.”

Como habitualmente às sextas-feiras, a candidatura prosseguiu com as reuniões e visitas a diferentes associações, instituições e localidade do concelho.

Além da deslocação ao quartel dos bombeiros, houve também uma visita ao Museu da Baleia, no Caniçal, e à Santa Casa da Misericórdia.

Criação de um Centro de Ciência Viva no Museu da Baleia

No Museu da Baleia, Ricardo Sousa sublinhou que o investimento do Governo Regional naquela infraestrutura “tem vindo a dar frutos”. “Está a crescer ao longo destes últimos anos, o que era expetável e fazia parte do programa para o crescimento do Museu.”

Contudo, notam-se também algumas dificuldades ao nível dos recursos humanos, em falta não só na parte da recepção de visitantes, mas também na componente de investigação científica que é realizada e de articulação com as escolas.

Uma das hipóteses colocadas pelo candidato foi a de criar um Centro de Ciência Viva, de modo a alavancar o museu e potenciar o conhecimento ali existente.

Finalmente na Santa Casa da Misericórdia de Machico, Ricardo Sousa registou com agrado o facto de a instituição estar a recuperar, apesar de um passivo ainda alto.

A primeira necessidade apontada foi a da licença de utilização que esta instituição ainda não possui, assim como os graves problemas que enfrentam na manutenção e com a falta de material no centro médico. Neste momento, o principal objetivo é o de alavancar o centro médico, com a introdução de novas especialidades e exames médicos.