Luísa quer divertir-se, Lucas quer ser polícia e Inês não quer pensar em ser adulta

* Margarida Silva e Diana Ferraz (texto e fotos)

Criança Funchal 1
Hoje, a criança foi o centro das atenções. No Funchal e um pouco por toda a Região.

Após o fim da II Guerra Mundial, a Federação Democrática Internacional das Mulheres e a Organização das Nações Unidas (ONU), para sensibilizar a sociedade mundial para os problemas que afetavam inúmeras crianças no mundo, decidiram, em conjunto, criar o Dia Internacional da Criança. Esta é uma data que faz sentido comemorar enquanto existirem no mundo crianças a quem são negados os cuidados básicos como o amor, a segurança e a saúde. Comemorar este dia não é apenas mimar ”os nossos” mas é também instruí-los de maneira a que estes se consciencializem sobre a importância dos sentimentos, de ajudar o próximo e das boas ações.

Dia assinalado com várias atividades na Região

O Dia da Criança não passa despercebido na Região Autónoma da Madeira e são algumas as escolas que optam por celebrar esta data fora do ambiente escolar. Um pouco por toda a ilha, existem celebrações que assinalam este dia de forma muito particular, desde a inauguração de um espaço infantil na Calheta, passando por debates e passatempos direcionados para a temática da criança.

Cafôfo criança
O Jardim Municipal foi um dos centros de homenagem à criança, com a presença do presidente da Câmara.

Pela cidade do Funchal, estão espalhadas atividades para que as crianças usufruam e desfrutem deste dia de maneira animada e livre. Na Placa Central, ao mesmo tempo que decorre o 43º evento da Feira do Livro, assiste-se também a peças de teatro onde as crianças são público-alvo.

Luísa: “Ser livre, divertir-se…”

Luísa, de 10 anos, de nacionalidade francesa, diz que, para ela, ser criança é ”ser livre, jogar, divertir-se e desfrutar sem qualquer preocupação”.

No Largo do Palácio de São Lourenço encontrava-se uma tenda com uma oferta diversificada de atividades, registando-se ali a presença da Escola Básica dos 1º e 2º Ciclos do Lombo Segundo. Junto da sua turma encontrava-se o professor Hugo Nascimento que descreveu esta iniciativa como sendo “fantástica”, apontando “a junção da Feira do Livro com o Dia Internacional da Criança. Cada vez mais as crianças precisam de ler e quanto mais envolverem as crianças neste tipo de eventos melhor e elas maior conhecimento terão. Associar a brincadeira à aprendizagem é muito bom para as crianças.”.

Lucas quer ser polícia

Entre danças e cantigas alguns dos alunos responderam a diversas questões. Lucas, de 7 anos de idade diz que para ele ser criança é ”brincar”, que quando for grande quer ser ”polícia”e que quem manda lá em casa não é ele mas sim ”a mãe e o pai, porque ainda sou muito pequeno para mandar”. Por outro lado, Inês, de 7 anos , diz que ”não penso em ser adulta, quer ser criança para sempre” e que, ao contrário de muitas crianças, gosta de ”brincar na rua com os amigos”.

Monte com muita festa

Criança B Monte
A junta de freguesia do Monte assinalou o Dia da Criança com várias atividades.

Para além das atividades que decorreram na Placa Central, durante a tarde tiveram lugar outras no Jardim Municipal do Funchal, com a presença do presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, entre as quais, teatro, danças e música.

Criança A Monte
Monte marca dia pelo quarto ano consecutivo.

No Monte, pelo 4º ano consecutivo, e para todas as crianças da freguesia que frequentam os infantários e escolas do ensino primário, a Junta de Freguesia local organizou uma manhã de diversão com muitas surpresas e boa disposição. Estas atividades realizaram-se no Polidesportivo do Monte, e contou com a participação de mais de 500 crianças, seus professores e auxiliares.