Rui Barreto denuncia má situação das estradas e do lixo em São Roque

O candidato do CDS-PP, Rui Barreto, subiu hoje o Caminho do Galeão, em São Roque, para ver “in loco” o que classificou como mais uma promessa falhada de líder da Mudança, Paulo Cafôfo. Logo no início da estrada, a placa, de grandes dimensões e como o logótipo da autarquia, anuncia: “Pavimentação” do Caminho do Galeão, refere o CDS. A carrinha do CDS-PP e a presença da comunicação social deixam a população curiosa: “Os senhores vieram ver esta pouca-vergonha”, indaga um dos moradores. “Prometeram alcatroar isto tudo mas só estão a tapar uns buracos, pensam que nos enganam.”, reza um comunicado dos centristas.

Rui Barreto e comitiva, onde se inclui o candidato do CDS-PP à Junta de Freguesia de São Roque, Fernando Luís, sobem até ao fim da íngreme estrada. Mais reclamações: “Já deviam ter arranjado maneira de prender os contentores do lixo”, sugerem. Falta uma doca própria, prossegue a nota de imprensa.

O candidato do CDS-PP aproveita para criticar a política dos anúncios sem realização alguma. Lembra ao presidente da CMF que a política precisa de seriedade e rigor, e desafia-o “a executar mais e a anunciar menos”.

Rui Barreto diz que está ali por ter solicitação de alguns moradores, que o alertaram para a situação do Caminho do Galeão. Mas também por outra promessa falhada: por iniciativa do CDS-PP, a gestão de Paulo Cafôfo aprovou uma alteração ao regulamento das taxas, para pôr fim ao relaxe para quem não paga a água a tempo e horas, uma medida que o candidato democrata-cristão acha “injusta” atendendo ao valor alto que a autarquia cobra se a factura não for paga dez dias após a data prevista.
O regulamento foi alterado em Julho de 2015, e quase dois anos depois não está em vigor porque o “senhor presidente da Câmara ainda não alterou o regulamento e sem isso as pessoas continua a ser penalizadas”, denunciou Rui Barreto, notando que é mais outra promessa falhada.
O candidato ressalva que o relaxe não faz sentido e propõe que seja acrescido ao valor da factura da água paga fora de horas um acréscimo percentual idêntico ao que a EEM cobra aos clientes em idêntica situação.